rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Arte “ecológica” de Manfredo de Souzanetto volta a ser exposta na Europa

Por Silvano Mendes

O artista plástico brasileiro Manfredo de Souzanetto volta a apresentar suas obras na Europa. O mineiro expõe seu trabalho em Portugal e na França, país onde fez parte de sua formação artística.

Manfredo de Souzanetto, que expõe na França desde a década de 1970, é um dos artistas presentes no Art Paris, a feira de arte contemporânea da capital francesa, evento que acontece entre 4 e 7 de abril no Grand Palais.

Mas seu trabalho, representado na Europa pela galeria parisiense Pascal Gabert, também pode ser visto atualmente em uma exposição realizada com Luiz Dolino no Casa-Museu Medeiros e Almeida, em Lisboa. Intitulada “Ritmo Dissoluto”, a mostra homenageia os cem anos da obra homônima do poeta Manuel Bandeira. “É uma exposição na qual eu trabalho obras fragmentadas, com pedaços de obras que são remontadas depois, utilizando toda uma gama de pigmentos naturais”, explica o artista.

Souzanetto é conhecido por peças geométricas, entre quadros e esculturas, mas que preservam uma dimensão orgânica, principalmente em razão desses pigmentos naturais usados para colorir suas obras. As cores, compostas pelo próprio artista a partir da terra recolhida em Minas Gerais, são a principal característica de seu trabalho.

Crateras lunares em Brumadinho

Mas por trás da pesquisa estética, o discurso do artista também mostra uma preocupação ecológica, presente desde o início de sua carreira quando, em suas primeiras exposições, ele já chamava a atenção para a destruição das montanhas e da natureza. Por essa razão, a catástrofe de Brumadinho, onde Souzanetto coleta frequentemente parte da matéria-prima para seus pigmentos, o chocou.

“É uma região que eu conheço muito bem. Todo aquele espaço que vai de Belo Horizonte a Congonhas e Ouro Preto, englobando Brumadinho, mais parece crateras lunares”, comenta. “A amplidão da destruição da paisagem é muito impressionante”.

Mesmo se não levanta bandeiras, o mineiro se identifica com a etiqueta de artista ecologicamente engajado. “Nós temos que parar, ou pelo fazer de uma maneira um pouco mais racional, a utilização dos recursos naturais. É uma coisa absolutamente devastadora o que tem sido feito na região das mineradoras”, lança. “Não só artisticamente, mas como ser humano, a gente tem que se engajar para transformar a mentalidade das pessoas e não visar apenas o lucro, mas também a proteção e a reconstrução de toda essa paisagem que está sendo destruída”, finaliza.

Seu trabalho também será exposto entre 3 e 8 de abril na SP Arte, o Festival Internacional de Arte de São Paulo, onde Souzanetto é representado pelas galerias Marcia Barrozo do Amaral e Lemos de Sá.

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”