rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Ernesto Araújo chega a Buenos Aires para explicar nova política externa brasileira a argentinos

Por RFI

Durante "palestra acadêmica" em Buenos Aires nesta terça-feira (9), o chanceler brasileiro Ernesto Araújo vai explicar o novo rumo internacional que pretende para o Brasil. A agenda se desenvolve também na quarta-feira (10), quando será tratada uma visita oficial do presidente Jair Bolsonaro à Argentina, ainda neste primeiro semestre, para não afugentar os votos a Mauricio Macri nas eleições de outubro.

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

O ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, chega a Buenos Aires na tarde desta terça-feira. No começo da noite, o ministro dará uma "palestra acadêmica" no prestigioso Conselho Argentino para as Relações Internacionais (CARI), sob o título "A Nova Política Externa do Brasil". Na plateia, diplomatas, acadêmicos e membros do governo argentino. Todos ainda um pouco desnorteados com o novo governo brasileiro.

Os argentinos ainda não conseguiram entender completamente o que o governo de Jair Bolsonaro pretende em matéria de política internacional, nem qual é o papel que a Argentina ocupa nas prioridades da nova política externa brasileira.

Até a posse de Bolsonaro, o parceiro mais estratégico do Brasil para a integração regional como plataforma de inserção internacional era a Argentina.

Essa será a primeira atividade de uma viagem tratada com certo hermetismo ao longo dos últimos dez dias. Nesse período, o governo Bolsonaro defendeu o golpe de 64 e negou a ditadura militar que se seguiu. Na Argentina, o assunto é extremamente sensível e poderia provocar manifestações de organizações de direitos humanos.

Reuniões bilaterais

As atividades oficiais continuam na quarta-feira. De manhã, o ministro terá uma reunião com o seu colega, o chanceler argentino, Jorge Faurie, no Palácio San Martín, sede da Diplomacia argentina.

Em pauta, a agenda bilateral e a do Mercosul. Assuntos como cooperação em matéria de segurança nas fronteiras e uma possível visita do presidente Jair Bolsonaro à Argentina.

A Argentina quer combater o crime organizado na fronteira com o Brasil, especialmente o tráfico de drogas e de armas. Se o crime organizado não respeita fronteiras, o combate precisa ser transnacional, defendem os dois países.

Logo em seguida, o ministro brasileiro deve-se reunir com o ministro da Produção da Argentina, Dante Sica, um profundo conhecedor da economia brasileira.

Alguns dos principais assuntos são a modernização do Mercosul, uma revisão na Tarifa Externa Comum (TEC) do bloco e alguns assuntos mais espinhosos da relação como a recente oferta brasileira para os Estados Unidos venderem até 750 mil toneladas de trigo ao Brasil com isenção da TEC. O país mais prejudicado com essa decisão é a Argentina.

Por outro lado, o Brasil quer agora que a Argentina compre açúcar brasileiro, eliminando a reserva de mercado. "Açúcar" e "Automóveis", mesmo depois de 24 anos de União Alfandegária do Mercosul são os dois únicos itens de fora do livre comércio, por protecionismo argentino.

Trigo x Açúcar

No mês passado, o Brasil anunciou que reservaria uma quota de 750 mil toneladas de trigo aos Estados Unidos com isenção da alíquota de 10% cobrada aos países de fora do Mercosul.

O país mais afetado pela medida é a Argentina, responsável por 84,4% de todo o trigo que o Brasil importou no ano passado.

Os exportadores argentinos de trigo se queixaram e o governo argentino se mostrou preocupado. Em jogo, cerca de US£$ 300 milhões num momento em que o país precisa gerar divisas e superar uma forte recessão.

Depois da queixa argentina, o Brasil esclareceu que a quota de 750 mil toneladas não é reservada somente aos Estados Unidos, mas que pode ser usada por qualquer país que for competitivo, inclusive pela Argentina.

Isso acalmou as reclamações, mas não dissipou a preocupação. O Brasil acumula um importante superávit comercial com a Argentina nos últimos 20 anos e o ministro da Produção, Dante Sica, com quem Ernesto Araújo deve-se reunir amanhã, já disse que "o único beneficiário ao longo do Mercosul é o Brasil".

Já o ministro Ernesto Araújo, quando soube da queixa dos argentinos, disse que o Brasil vai pôr sobre a mesa o livre comércio do açúcar, produto sobre o qual os argentinos nunca quiseram negociar uma abertura do mercado.

Bolsonaro na Argentina

Quando viajou a Brasília em janeiro, o presidente Mauricio Macri convidou Bolsonaro à Argentina. O assunto estará na agenda nesta quarta-feira.

O governo argentino quer que Bolsonaro venha à Argentina ainda neste primeiro semestre, antes da reunião de Cúpula do Mercosul, que vai acontecer na cidade argentina de Santa Fé em julho.

A Argentina pretende que o Brasil veja o país como o seu principal aliado na região, depois das declarações das autoridades brasileiras de que o Chile é a referência econômica e o modelo a ser seguido. É como contrabalançar esse peso regional.

Porém, Mauricio Macri precisa manter um equilíbrio político num ano eleitoral no qual disputa a reeleição em outubro. Receber Bolsonaro ajudaria o presidente Macri a garantir o voto da direita argentina e de dar um sinal de que também fará necessárias reformas econômicas. Mas, por outro lado, receber Bolsonaro no segundo semestre, perto das eleições, pode ter o efeito contrário: afugentar o voto progressista.

As últimas declarações de Bolsonaro em negação do golpe de 64 e da ditadura militar caíram muito mal na Argentina, o país que mais condenou militares no mundo e onde as organizações de direitos humanos têm amplo apoio popular.

Uma foto de Macri com Bolsonaro às vésperas das eleições argentinas é tudo o que a oposição quer para tornar mais difícil a reeleição de Macri.

 

 

 

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima

Alemanha declara guerra aos carros SUVs por poluírem e ocuparem muito espaço em estacionamentos