rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

Por Elcio Ramalho

“Codinome Clemente”, filme da diretora Isa Albuquerque, foi exibido nesta semana no Festival de Cinema Brasileiro de Paris. Ainda inédito no Brasil, o documentário, que conta a história de Carlos Eugênio Paz, guerrilheiro na luta contra a ditadura militar (1964-1985), revoluciona ao propor um depoimento extremamente honesto e revelador, segundo a cineasta, que falou com a RFI.

Carlos Eugênio da Paz integrou o movimento Aliança Libertadora Nacional e foi durante sua atuação que ele recebeu o codinome “Clemente”. “Ele é um personagem extraordinário, por ter uma capacidade de revelação que não encontrei em nenhum outro militante desse período. Ele coloca claramente como eram os bastidores da luta armada isso é novo”, revela.

Isa Albuquerque conta que já conhecia Carlos Eugênio e, sempre que o ouvia contando sua história, ficava com a impressão de que ela precisava ser registrada e compartilhada. “Clemente” foi um dos homens mais procurados pelo regime militar, sem nunca ter sido preso. “Ele fez parte de uma organização que agregou 15 mil militantes no Brasil inteiro. Todo esse tecido político da clandestinidade é traduzido através das ações armadas do ‘Clemente’. Ele comandava os grupos de fogo e fazia parte de uma ala mais radical e extremista.”

O contexto geopolítico era intenso, como lembra a cineasta, afirmando que o mundo, na época, estava dividido em duas grandes ideologias: o capitalismo e o socialismo. “Todo jovem se via diante de uma escolha. No caso do Carlos Eugênio, ele escolheu pegar em armas para lutar contra a ditadura e implantar um regime socialista. Essa dualidade sempre me chamou atenção e eu sempre quis saber mais desses jovens que me antecederam”, conta Isa Albuquerque.

Esforço de memória

O trabalho de realização da obra não foi fácil. “Foram anos e anos gravando os mesmos depoimentos, mudando de locação – às vezes em casa, às vezes nos locais das ações armadas – e, aos poucos, ele foi elaborando melhor esse processo da autorevelação”, explica. Isa ressalta que, para ela, foi estranho terminar o filme num momento em que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, faz elogios à ditadura militar. “Parece que foi uma construção do destino. [O documentário] chega às telas justamente quando se questiona toda uma narrativa, quando se tenta reconstruir a narrativa dos anos 1960. É um filme contra essa narrativa falseada que está aparecendo.”

Isa Albuquerque considera importante estabelecer esse debate com seu filme no país. “Nós vivemos hoje numa uma sociedade distópica, que elegeu um governo de extrema direita e que defende o armamento da população. Eu sou contra, apesar do filme falar de luta armada”, ressalta.

Temos um presidente que defende a tortura, eleito pelas fake news. A esquerda perdeu a base, perdeu a narrativa do regime militar. Acho que o filme vem para contribuir, contar que país era esse que sofreu um golpe militar e que obrigou pessoas como Carlos Eugênio Paz, que entrou para a luta armada aos 15 anos, a enfrentar esse destino. Não queremos reviver esse período”, finaliza.

Veja a entrevista completa:

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura

Vik Muniz: “Depois do modernismo, virou tabu falar de religião em arte”

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina