rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Não queremos reviver luta armada”, diz diretora de documentário sobre ex-guerrilheiro

Por Elcio Ramalho

“Codinome Clemente”, filme da diretora Isa Albuquerque, foi exibido nesta semana no Festival de Cinema Brasileiro de Paris. Ainda inédito no Brasil, o documentário, que conta a história de Carlos Eugênio Paz, guerrilheiro na luta contra a ditadura militar (1964-1985), revoluciona ao propor um depoimento extremamente honesto e revelador, segundo a cineasta, que falou com a RFI.

Carlos Eugênio da Paz integrou o movimento Aliança Libertadora Nacional e foi durante sua atuação que ele recebeu o codinome “Clemente”. “Ele é um personagem extraordinário, por ter uma capacidade de revelação que não encontrei em nenhum outro militante desse período. Ele coloca claramente como eram os bastidores da luta armada isso é novo”, revela.

Isa Albuquerque conta que já conhecia Carlos Eugênio e, sempre que o ouvia contando sua história, ficava com a impressão de que ela precisava ser registrada e compartilhada. “Clemente” foi um dos homens mais procurados pelo regime militar, sem nunca ter sido preso. “Ele fez parte de uma organização que agregou 15 mil militantes no Brasil inteiro. Todo esse tecido político da clandestinidade é traduzido através das ações armadas do ‘Clemente’. Ele comandava os grupos de fogo e fazia parte de uma ala mais radical e extremista.”

O contexto geopolítico era intenso, como lembra a cineasta, afirmando que o mundo, na época, estava dividido em duas grandes ideologias: o capitalismo e o socialismo. “Todo jovem se via diante de uma escolha. No caso do Carlos Eugênio, ele escolheu pegar em armas para lutar contra a ditadura e implantar um regime socialista. Essa dualidade sempre me chamou atenção e eu sempre quis saber mais desses jovens que me antecederam”, conta Isa Albuquerque.

Esforço de memória

O trabalho de realização da obra não foi fácil. “Foram anos e anos gravando os mesmos depoimentos, mudando de locação – às vezes em casa, às vezes nos locais das ações armadas – e, aos poucos, ele foi elaborando melhor esse processo da autorevelação”, explica. Isa ressalta que, para ela, foi estranho terminar o filme num momento em que o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, faz elogios à ditadura militar. “Parece que foi uma construção do destino. [O documentário] chega às telas justamente quando se questiona toda uma narrativa, quando se tenta reconstruir a narrativa dos anos 1960. É um filme contra essa narrativa falseada que está aparecendo.”

Isa Albuquerque considera importante estabelecer esse debate com seu filme no país. “Nós vivemos hoje numa uma sociedade distópica, que elegeu um governo de extrema direita e que defende o armamento da população. Eu sou contra, apesar do filme falar de luta armada”, ressalta.

Temos um presidente que defende a tortura, eleito pelas fake news. A esquerda perdeu a base, perdeu a narrativa do regime militar. Acho que o filme vem para contribuir, contar que país era esse que sofreu um golpe militar e que obrigou pessoas como Carlos Eugênio Paz, que entrou para a luta armada aos 15 anos, a enfrentar esse destino. Não queremos reviver esse período”, finaliza.

Veja a entrevista completa:

Governo ataca liberdade de expressão no Brasil e o povo não se dá conta, diz Leandro Demori, do Intercept

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

"Quero viver de arte", diz jovem pintora maranhense que expôs na França

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato