rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Primeira-ministra britânica, Theresa May, anuncia sua renúncia para 7 de junho
RFI CONVIDA
rss itunes

Aurélie e Verioca lançam novo disco e iniciam turnê pelo Brasil

Por Silvano Mendes

As cantoras e compositoras Aurélie e Verioca acabam de lançar o álbum “Uatu”, terceiro trabalho das duas francesas que há dez anos navegam nos ritmos brasileiros. Elas se apresentam no dia 14 de maio em Paris, antes de saírem em turnê pelo Brasil.

Depois de “Além des nuages”, em 2011, e “Pas à Pas”, em 2015, a dupla lança “Uatu”, álbum no qual mais uma vez se divertem entre as onomatopeias de Verioca, que cuida da melodia, e as letras de Aurélie, que oscila entre francês e português. O título do disco, que significa "Rio Doce" no idioma indígena Krenak, faz alusão ao rompimento da barragem de Mariana, em 2015. “Algo que nos inspirou muito e emocionou as pessoas na França”, comenta Aurélie.

Mas se engana quem pensa que “Uatu” é um álbum triste. As dez canções, que contam ainda com o talento do compositor Agenor de Oliveira em algumas letras, misturam sonoridades diversas, melancólicas mas também festivas, nas quais é possível sentir a influência de nomes como Pixinguinha, Guinga ou ainda Tom Jobim.

Além da música-título, um dos pontos altos de álbum é a parceria com Egberto Gismonti, que cedeu para a dupla a canção “Du Samba”, que ganha uma bela versão francesa. “Ele aceitou com muito carinho”, lembra Verioca, que já havia colaborado com o brasileiro no passado. “Ele ficou emocionado porque é um samba que escreveu com 20 anos de idade”, explica Aurélie. “Acho que ficou feliz ao ver essa canção ter uma segunda vida, décadas depois, com uma letra em francês”, completa.

Samba enredo da Mangueira em versão francesa

Outra tradução, que não está no álbum, mas que faz parte dos shows e está dando o que falar é a versão em francês do samba enredo da Mangueira, campeão dos desfiles do carnaval do Rio de Janeiro esse ano. A dupla diz que o projeto visa chamar a atenção para o contexto atual brasileiro. “Esse samba tem o poder de juntar as energias positivas das pessoas. Para mim, foi o jeito de dizer ao público francês que não é lusófono: ‘vem se juntar nessa luta, pois ela também é nossa’”, explica Aurélie.

A dupla se apresenta no dia 14 de maio no Café de la Danse, uma importante sala de concertos parisiense. Logo em seguida elas embarcam para o Brasil, onde já fazem turnês desde 2012. Aurélie e Verioca montaram um show especial para o lançamento de “Uatu”, que passará por Rio de Janeiro, Petrópolis e Goiânia.

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França