rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Primeira-ministra britânica, Theresa May, anuncia sua renúncia para 7 de junho
RFI CONVIDA
rss itunes

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Por Patricia Moribe

O fotógrafo, escultor e arte educador Mauro Fainguelernt, do Rio de Janeiro, expõe “Apego ao vivo”, em Paris, de 17 de maio a 19 de junho, no museu da História da Medicina. O artista veio até os estúdios da RFI falar sobre o seu trabalho.

“O Apego ao Vivo” traz duas séries de fotografias, uma sobre os índios Krahô e “Paroles”, um diálogo e reflexão sobre o trabalho das abelhas. Os dois conjuntos são permeados pelas temáticas frequentes utilizadas pelo artista: memória, intervenção do homem, preservação e interação com a natureza.

Busca da preservação

O encontro com os Krahô começou de forma inusitada, relata Fainguelernt. “Vi na TV uma tribo, vestida com roupas térmicas, dentro de um banco de germoplasma [unidades de conservação de material genético], que vem a ser um congelador onde sementes são estocadas. Isso me deixou muito mobilizado de ver uma tribo tentando resgatar sementes que já tinham perdido. E isso ficou na minha memória”.

O encontro com os Krahô se concretizou durante as comemorações dos 500 anos do Brasil, no ano 2000, durante uma visita do fotógrafo ao Museu do Índio, no Rio de Janeiro, que coincidiu com a presença de um grupo da etnia no mesmo local.

Fainguelernt acompanhou os Krahô durante dois dias e propôs a realização de uma série de retratos, refletindo os questionamentos do desmatamento e as ameaças ao futuro da cultura indígena. Desse encontro nasceu a série “Iminências Pardas”, exposta em Paris.

Palavras e abelhas

Já “Paroles” foi uma instalação fotográfica e fílmica em torno das abelhas, realizada no refúgio – residência e espaço de criação – do artista em Galdinópolis, a três horas do Rio de Janeiro. A destruição da natureza e a ameaça à biodiversidade se refletem na concepção artística: palavras são imersas em colmeias e retiradas, com mel e abelhas, para serem fotografadas. O resultado, em fotos e vídeo, estará na exposição parisiense.

Nos passos de Krajcberg

O artista também está desenvolvendo uma tese de doutorado em torno de Frans Krajcberg (1921-2017). “Ele trabalha com os vestígios da natureza, seu trabalho nos remete diretamente à memória do nosso planeta, para os riscos iminentes que estamos vivendo. É um trabalho muito interessante de apropriação dos restos da destruição, ele que sobreviveu à guerra, imigrou para o Brasil e novamente se viu diante de uma destruição. Não a destruição do homem pelo homem, mas da natureza pelo homem”, explica.

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França