rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Com álbum “+100”, Casuarina apresenta samba moderno em turnê pela Europa

Por Marcos Lúcio Fernandes

Paulinho da Viola, em sua canção “Argumento”, dizia que o samba devia manter suas tradições. “Olha que a rapaziada está sentindo a falta de um cavaco, de um pandeiro ou de um tamborim”, diz o mestre em sua letra. O grupo Casuarina, que acaba de lançar seu álbum “+100”, é a prova de que esse ritmo pode inovar, se transformar e propor uma roupagem atual e moderna sem perder suas raízes. De passagem por Paris, João Fernando e Gabriel Azevedo, dois integrantes da banda, deram entrevista à RFI, contando sobre a turnê europeia e discutindo as inspirações cariocas que movem suas melodias.

Os dois músicos lembram que essa é apenas uma de muitas turnês do grupo, que tem uma relação de quase uma década com a Europa. “Tocar para o público francês nos dá uma noção do impacto da música brasileira. É um povo muito interessado por cultura, eles dançam, tentam cantar, conversam com a gente”, afirma Gabriel. “Um outro aspecto é matar a saudade do povo brasileiro que está morando aqui, que recorda muitas coisas do Brasil”, defende João.

O álbum “+100” é resultado do show de 2017 onde o Casuarina celebrava os cem primeiros anos do samba. “Fizemos uma retrospectiva do 'comecinho' até os dias de hoje. Quando a gente parou para pensar no trabalho novo, chegamos à conclusão que seria legal apontar para a frente. Nós que moramos no Rio de Janeiro sabemos que o samba continua muito forte, com muitos compositores e rodas de samba novas surgindo. Nós fomos atrás desses compositores e chegamos ao repertório do '+100', ou seja, mais cem anos de samba”, explica Gabriel.

2017 também foi o ano da saída de João Cavalcanti, um dos integrantes do grupo, que decidiu seguir carreira solo. Para o restante da banda, foi uma oportunidade de focar no futuro e aproveitar a mudança para inovar com um trabalho novo. Segundo Gabriel, “esse disco foi uma válvula de escape que encontramos para esse momento de dúvida do que iríamos fazer. Apostamos nele e foi um acerto, porque as coisas estão dando certo.”

Raízes cariocas

O grupo não se chama “Casuarina” por acaso: esse é o nome da rua, no Rio de Janeiro, onde os integrantes começaram a ensaiar. A “carioquice” é parte do DNA da banda, que não nega suas “inspirações locais”, e propõe até uma “retomada” da Lapa, bairro icônico para o samba.

“Ressaltamos sempre que o Rio tem passado por um momento difícil. Após as Olimpíadas, acho que a cidade sentiu mais essa crise. A própria Lapa está passando por um momento ruim, as coisas já foram muito melhores”, critica Gabriel. “Mas a gente não desiste e, carregando a história do Rio com orgulho, podemos dar uma força para que essa situação melhore um pouco”.

O Casuarina vai tocar na França nos dias 17 de maio em Vernouillet e 18 em Ris Orangis antes de seguir para Londres, onde fará show no dia 19.

Veja a entrevista completa:

Grupo “Trio in Uno” lança álbum “Ipê” em homenagem ao cerrado brasileiro

"Hungria mantém refugiados em centros de detenção arbitrária", diz ativista

Nazaré Pereira, pioneira do forró na França, revela um “outro Brasil”

"Está difícil ter orgulho de ser brasileiro", diz Martinho da Vila, antes de show em Paris 

"Bacurau" mostra o Brasil, "um país maravilhoso, mas também muito feio”, disse Kléber Mendonça em Cannes

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Do burlesco à modernidade, livro retraça percurso revolucionário da atriz Helena Ignez, musa do 'cinema marginal' brasileiro

Fotógrafo brasileiro expõe em Paris reflexões sobre memória e preservação

Tinta Bruta, o filme da 'bicha que resiste' estreia no circuito comercial na França

Exclusão do português em exame de entrada na universidade na França gera protestos

Entre arqueologia e performance, jovem artista brasileira Manoela Medeiros estreia individual em Paris

“Macron quis governar a França como uma startup”, diz especialista sobre dois anos do presidente no poder

“Fomos influenciados pela França desde a infância”, diz autora de guias turísticos

“Legado de Da Vinci é universal” e disputa entre França e Itália é política diz professor da USP

Reforma da Previdência pode precarizar trabalhador com aumento da informalidade, diz economista Thomas Coutrot

“Rever o modo de funcionamento da educação no Brasil é muito preocupante”, diz Carlos Cury

Protagonismo indígena do Brasil nas artes plásticas é tema de exposição na França