rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Embaixada brasileira lança cartografia para mapear o ensino do português na França

Por Maria Emilia Alencar

A RFI conversou com o diplomata Rodrigo Randig, chefe do setor de educação e promoção da língua portuguesa da embaixada brasileira em Paris sobre a criação de uma cartografia que mapeia o ensino do português na França. O projeto foi feito em parceria com a Universidade de Clermont Ferrant, que fica na região da Auvergne.

“A embaixada brasileira em Paris tem um setor dedicado à educação e à promoção da língua portuguesa, que é um dos pilares de atuação externa do Brasil. Entendemos que promovendo a língua portuguesa, promovemos também a nossa cultura. Não só a brasileira como a dos demais países, esse conjunto que forma a chamada lusofonia”, explica Rodrigo Randig.

O diplomata conta que a ideia se iniciou há dois anos. “Fizemos o primeiro encontro de professores de língua portuguesa. Entre os vários resultados desse encontro, uma ideia que surgiu foi a de elaborar essa cartografia, que foi realizada nestes últimos dois anos, cuja ideia era fazer um mapeamento de onde se ensina português na França. O que não existia até então e estamos muito felizes de poder lançar essa ferramenta”, revela o diplomata.

“Descobrimos que o ensino de português é bem distribuído na França. Todas as regiões da França continental, digamos assim, têm curso de português, com exceção da Córsega. O português é muito falado. A estimativa é que seja a língua materna mais falada depois do francês. Mas não por causa de brasileiros, e sim pelos portugueses”, conta Randig.

Sem competição

Para o diplomata, é importante não enxergar uma competição entre Brasil e Portugal. “Aqui na França escutamos muitas pessoas dizerem “você fala brasileiro”, e nós lutamos contra essa ideia para dizer que é uma língua só, que é a língua portuguesa, que o esforço de Portugal ajuda o esforço do Brasil. Acho que com a ajuda de Portugal, estamos conseguindo fazer ações em prol da língua”, afirma.

“É claro que há talvez uma demanda bastante grande pelo português brasileiro nas universidades, onde a oferta padrão é a do português europeu. Mas eu acho que uma coisa não exclui a outra. Um professor português pode ensinar também a variante brasileira, como um professor brasileiro pode mostrar as diferenças entre as duas formas, do mesmo modo que acontece com o inglês, com o espanhol e mesmo com o francês”, explica Randig

Fim do português em prova de conclusão de ensino médio

Apesar do grande interesse dos franceses pelo português, recentemente o ministério da educação do país decidiu retirar o idioma das quatro principais línguas do Baccalauréat, que é o exame de conclusão do ensino médio. Para o diplomata, não houve uma ação voluntária contra o português “É importante deixar claro que não foi algo especificamente contra a nossa língua. Atualmente há uma longa lista de mais de 10 línguas. Você pode escolher o russo, o árabe, etc. O que a reforma anunciou é que a língua estrangeira terá que ser uma entre as quatro definidas, que são inglês, italiano, alemão e espanhol”, explica Randig.

“Mas a embaixada, desde que tomou conhecimento, passou a incluir esse tema em todas as reuniões bilaterais que nós temos, tanto aqui em Paris quanto em Brasília, para argumentar que essa escolha não faz sentido. Se o português é a língua de migração mais falada na França, nós tentamos mostrar que não há uma lógica na escolha", afirma.

"Em termos de falantes, o português, com 270 milhões de falantes, tem o dobro de falantes do alemão e no mínimo três vezes mais falantes do que o italiano. Se você diz que essas línguas foram escolhidas por serem línguas de fronteira, pois bem, não podemos esquecer que a maior fronteira da França no mundo é com o Brasil, no caso da Guiana Francesa. Então o português também é uma língua de fronteira. O que estamos tentando mostrar é que, sobre qualquer aspecto, o português deve ser mantido entre essas principais línguas”, conclui o diplomata.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura