rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Cantora brasileira Katya Teixeira leva música de raiz para Europa

Por Elcio Ramalho

Cantora, compositora e pesquisadora de cultura popular, Katya Teixeira chegou à França para dar sequência a uma turnê por vários países da Europa. Ela celebra e divulga seus 25 anos de carreira e, ao mesmo tempo, negocia a ampliação de seu projeto de promoção internacional de música de raiz e étnica.

Depois de passar por Portugal e Espanha, a paulistana tem uma agenda de shows em Paris e diversas cidades do interior. “Trago um pouquinho do Brasil, dos Brasis. Nosso país é diverso, plural e até os próprios brasileiros não o conhecem. Eu trago um pouco desse universo e desse sentimento brasileiro”, explica.

No repertório estão as músicas de seis cds e os três novos singles lançados simultaneamente em português e espanhol. Suas canções, compostas por ela mesma ou em parcerias, misturam poesia, história, tradições, personagens e ritmos populares de várias regiões do Brasil e, mais recentemente, também dos países vizinhos.

Filha de um alagoano e uma mineira, Katya teve contato desde cedo com as culturas regionais ao investigar sua própria história familiar. Assim, Katya viu despertar sua vocação de artista e pesquisadora da vasta riqueza da cultura popular e de raiz.

“Através da cultura popular você consegue descobrir a identidade de um povo, em um sentido mais amplo. Eu não poderia ter escolhido outra linguagem de música senão essa”, justifica. 

Sua aproximação com Dércio Marques, músico e pesquisador das raízes da cultura popular do Brasil e de países da América Latina, está na origem do projeto Dandô. Ela decidiu trilhar o caminho já aberto pelo ídolo mineiro, que faleceu em 2012. “Ele abriu muitos caminhos, conectava muita gente e por que não manter isso?”, questiona.

Projeto na estrada

No ano seguinte ela já colocava na estrada os primeiros passos do projeto Dandô, de valorização dos artistas locais por meio de espetáculos itinerantes. Em suas viagens pelo Brasil, ela se encontrou com músicos regionais que aceitaram participar de um circuito musical.

Atualmente, o projeto envolve 50 cidades brasileiras e ultrapassou as fronteiras do país. Dandô tem versões locais no Chile, onde ganhou o nome de “Ruta de Violeta Parra”, na Venezuela e na Argentina. A estreia do projeto também está prevista na Colômbia.

Espalhando a “semente musical”, como gosta dizer, Katya diz que o projeto Dandô vai fincar raízes também no Caribe e futuramente na Europa. Contatos já estão feitos para que o velho continente absorva a cultura de raiz e popular vinda do Brasil e de seus vizinhos latino-americanos.

Em 2020 o circuito Dandô vai começar por Portugal, passar pela Galícia, no norte da Espanha, e, espera-se, também conquistar a França. As discussões estão bem adiantadas para as regiões de Auvergne (centro) e da Bretanha, no oeste do país.

A receptividade do público estrangeiro à musica de raiz brasileira é surpreendente. “Tenho a sensação que essa música tem uma memória ancestral. Nos lugares onde a gente chega as pessoas não a conhecem, mas têm a sensação de já ter ouvido. Não há estranhamento”, garante.

“A música brasileira é bem acolhida em qualquer parte do mundo. Música étnica e de raiz tem futuro porque tem a ver com a história da gente”, conclui.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura