rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Valorizar população indígena é o caminho para a preservação da Amazônia, diz historiador americano

Por Stephan Rozenbaum

A RFI conversou com Neil Safier, professor do departamento de História da Brown University, de Providence, nos Estados Unidos, que esteve em Paris a convite da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris. O acadêmico, que fez seu doutorado na Universidade John Hopkins, criou um importante vínculo com o Brasil e passou a estudar a influência europeia na região amazônica no século XVIII.

O primeiro contato de Neil Safier com o Brasil Neil aconteceu há mais de 20 anos. “Estava viajando pelo Chile quando conheci quatro brasileiros que me convidaram para conhecer o Brasil. Optei por aceitar o convite e com isso troquei meu “portunhol” pelo português, foi assim que comecei a me interessar muito pelo Brasil. Principalmente pela conexão do Brasil com a Europa do período colonial e sobretudo do século XVIII”, conta o professor de História.

“Quando eu descobri o Brasil, eu queria encontrar uma forma de conectar os meus interesses na França e no Brasil. Eu descobri um viajante francês, Charles Marie de la Condamine, que foi o primeiro cientista, digamos assim, que desceu o rio Amazonas, em 1743. Desde então, eu tive uma espécie de duplo interesse pela cultura erudita europeia do século XVIII, do Iluminismo, e também pelo desenvolvimento territorial do Brasil e em particular da Amazônia”, explica Safier.

Conhecimento para valorizar a região

Um assunto que raramente aparece em rodas de conversa. O acadêmico reconhece que todos estão principalmente preocupados com o futuro da região. “Mas conhecer a história é fundamental porque isto nos dá a oportunidade de olhar para todas as etapas diferentes do desenvolvimento”, lembra Safier. “Nos dias de hoje estamos observando um desenvolvimento que já começou há muito tempo, com a chegada dos europeus na região amazônica”, explica.

Para o professor, conhecer a fundo o passado da Amazônia faz com que a região passe a ter mais valor. “Nos primeiros relatos dos europeus, descobrimos muitos conhecimentos indígenas sobre a região. Então essa dinâmica histórica valoriza muito mais a importância do conhecimento indígena, a presença antiga desses povos, e também integra muito mais a presença deles nas conversas e nos diálogos de hoje. Eu acho que a história é fundamental para recuperar essas formas de pensar, e inseri-las dentro do diálogo dinâmico de hoje”, afirma Safier.

Futuro incerto

Mas Neil Safier reconhece que é importante olhar para o futuro. “Todos os historiadores têm que lidar com o problema da mudança histórica. Pode parecer até uma desculpa, mas os historiadores são péssimos em prognosticar. Não sabemos o que vai acontecer com o nosso planeta, com a Amazônia”, diz o acadêmico.

“Com certeza, estamos destruindo a Amazônia. A Mata Atlântica já quase desapareceu do Brasil. Nós vamos ter que explicar no futuro o que nós estávamos fazendo enquanto essa parte do nosso planeta sumia. Eu tenho a esperança que reconhecendo a importância de certas regiões, nós poderemos entender como vai ser possível para a espécie humana mudar esse itinerário para um caminho melhor”, conclui Safier.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura