rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Malvine Zalcberg lança na França livro sobre construção de identidade feminina entre mães e filhas

Por Márcia Bechara

Ela é belga, naturalizada brasileira, e vive e atende há décadas no Rio de Janeiro, cidade que escolheu para morar. Psicanalista e psicóloga clínica, Malvine Zalcberg lança seu terceiro livro na França, "Devenir femme de mère en fille", "Tornar-se mulher, de mãe em filha", em tradução livre. O livro mapeia, usando como paralelo grandes filmes contemporâneos, a construção da identidade feminina em jovens garotas, a partir do espelhamento com suas mães.

"Achei que meu primeiro livro ("O que uma filha espera de sua mãe") era muito direcionado aos psicanalistas. Senti que devia às mulheres um livro para elas", afirma Malvine Zalcberg. "Este é para as mulheres, não sobre as mulheres. Para elas entenderem o caminho delicado e complexo, enigmático mas ao mesmo tempo maravilhoso que pode conduzí-las numa boa relação de mãe e filha, que no fundo, é o que todas as mulheres querem quando têm filhas", diz.

"Todos os capítulos e todos os temas psicanalíticos são ilustrados por filmes. O cinema é a psicanálise nasceram juntos, no século 19. A arte precede tudo. Ela desperta as nossas mais profundas emoções. Hitchcock foi um bom exemplo do uso da psicanálise aplicada ao cinema. Ele é um grande aliado para mostrar o que acontece entre mãe e filha, aplicado a cada uma das situações", afirma.

Mal-entendidos dolorosos

"Faço um percurso desde o nascimento da menina até ela se tornar mãe. Temos muito mais histórias de mães e filhas que se amam muito, mas realmente não se entendem. E chegam às vias de fato de mal-entendidos dolorosos entre elas. Esse tipo de relacionamento não é fortuito. Nem devotamento materno nem amor são suficientes para evitar esse tipo de problema", comenta a psicanalista.

"As mães precisam entender que cada etapa é importante na evolução da filha. Como ela tem um corpo diferente do menino, ela precisa de outro olhar do que aquele que se dá ao menino", diz Zalcberg. "Nem tudo é desvantagem, no entanto. A mulher é mais criativa, porque a primeira coisa que ela tem que criar é ela mesma", analisa a escritora.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo.

Governo ataca liberdade de expressão no Brasil e o povo não se dá conta, diz Leandro Demori, do Intercept

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

"Quero viver de arte", diz jovem pintora maranhense que expôs na França

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato