rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Malvine Zalcberg lança na França livro sobre construção de identidade feminina entre mães e filhas

Por Márcia Bechara

Ela é belga, naturalizada brasileira, e vive e atende há décadas no Rio de Janeiro, cidade que escolheu para morar. Psicanalista e psicóloga clínica, Malvine Zalcberg lança seu terceiro livro na França, "Devenir femme de mère en fille", "Tornar-se mulher, de mãe em filha", em tradução livre. O livro mapeia, usando como paralelo grandes filmes contemporâneos, a construção da identidade feminina em jovens garotas, a partir do espelhamento com suas mães.

"Achei que meu primeiro livro ("O que uma filha espera de sua mãe") era muito direcionado aos psicanalistas. Senti que devia às mulheres um livro para elas", afirma Malvine Zalcberg. "Este é para as mulheres, não sobre as mulheres. Para elas entenderem o caminho delicado e complexo, enigmático mas ao mesmo tempo maravilhoso que pode conduzí-las numa boa relação de mãe e filha, que no fundo, é o que todas as mulheres querem quando têm filhas", diz.

"Todos os capítulos e todos os temas psicanalíticos são ilustrados por filmes. O cinema é a psicanálise nasceram juntos, no século 19. A arte precede tudo. Ela desperta as nossas mais profundas emoções. Hitchcock foi um bom exemplo do uso da psicanálise aplicada ao cinema. Ele é um grande aliado para mostrar o que acontece entre mãe e filha, aplicado a cada uma das situações", afirma.

Mal-entendidos dolorosos

"Faço um percurso desde o nascimento da menina até ela se tornar mãe. Temos muito mais histórias de mães e filhas que se amam muito, mas realmente não se entendem. E chegam às vias de fato de mal-entendidos dolorosos entre elas. Esse tipo de relacionamento não é fortuito. Nem devotamento materno nem amor são suficientes para evitar esse tipo de problema", comenta a psicanalista.

"As mães precisam entender que cada etapa é importante na evolução da filha. Como ela tem um corpo diferente do menino, ela precisa de outro olhar do que aquele que se dá ao menino", diz Zalcberg. "Nem tudo é desvantagem, no entanto. A mulher é mais criativa, porque a primeira coisa que ela tem que criar é ela mesma", analisa a escritora.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura