rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Visita de Bolsonaro à Argentina pode atrapalhar campanha de Macri

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, chega a Buenos Aires na manhã desta quinta-feira (6) para uma visita oficial. Ele será recebido pelo chefe de Estado argentino, Mauricio Macri, a quem dará um controverso apoio para a reeleição. Em frente à Casa Rosada, na Praça de Maio, uma manifestação promete ser a maior já convocada no exterior em repúdio ao pesselista. 

Márcio Resende, correspondente da RFI em Buenos Aires

Ao longo do último mês, Bolsonaro criticou oito vezes a ex-presidente Cristina Kirchner, que tenta voltar ao poder. Bolsonaro diz torcer pela reeleição de Macri e tenta alertar os argentinos sobre o risco de um retrocesso ao votarem na ex-presidente, "que faria da Argentina uma Venezuela", segundo o pesselista. Bolsonaro chegou a dizer, inclusive, que pede a Deus para que Cristina Kirchner não volte a ser presidente.

Mas, ao mesmo tempo que quer apoiar Macri, o presidente brasileiro pode prejudicar sua campanha. Na Argentina, não há espaço para a extrema direita, muito menos para aquela que defende a ditadura, a prisão e a tortura.

A Argentina é, provavelmente, o país que mais rejeita os militares no mundo. É, sem dúvida, a nação que mais condenou ex-militares da ditadura. Além disso, Bolsonaro tem péssima imagem no país. Portanto, a intenção de ajudar Macri pode ser, na verdade, "fogo amigo".

Macri precisa manter um equilíbrio político. Receber Bolsonaro pode ajudar a garantir o voto da direita argentina e a dar um sinal ao mercado de que também fará reformas econômicas se reeleito. Mas uma foto dos dois presidentes juntos é tudo o que a oposição quer para associar a imagem dos dois e tornar mais difícil a reeleição do argentino. Por isso, Macri recebe Bolsonaro agora e não perto das eleições de outubro.

Manifestação em repúdio a Bolsonaro

A manifestação prevista para a tarde desta quinta-feira na Praça de Maio, em frente à Casa Rosada, vai justamente tentar associar a imagem de Macri com a de Bolsonaro. Aliás, os cartazes e as palavras de ordem que convocam ao protesto já indicam essa intenção.

Será um protesto contra Bolsonaro, mas que, no fundo, é contra Macri. A mobilização foi convocada por mais de 50 organizações sociais, políticas e sindicais, todas elas contra Macri e a favor de Cristina Kirchner.

Bolsonaro vai encontrar o país onde o movimento feminista é uma referência para a região. Também vai se deparar com a sociedade com maior organização social da América Latina. Na Argentina, tudo o que pessilista defende tem mais resistência.

A manifestação pretende convocar, pelo menos, cinco mil pessoas e ser o maior repúdio internacional contra Bolsonaro até hoje. O protesto pode se repetir dentro de 40 dias, quando o presidente brasileiro voltará à Argentina para a reunião de Cúpula do Mercosul.

Foto de Macri com Bolsonaro, é tudo o que a oposição quer para associar a imagem dos dois e tornar mais difícil a reeleição de Macri. M. Resende

Visita inédita

A visita de Bolsonaro a Buenos Aires é inédita por vários motivos. O primeiro é que ele nunca foi à Argentina como presidente. Além disso, é a primeira vez que um chefe de Estado do Brasil quebra a tradição de não interferir nos assuntos internos de outro país, declararando abertamente o seu apoio à reeleição de Macri.

O terceiro motivo é que a Argentina também quebrou um protocolo histórico para esta visita. Normalmente, um chefe de Estado visita os Três Poderes de um país: Executivo, Legislativo e Judiciário.Mas em vez de ir ao Congresso argentino e à Corte Suprema, são os legisladores e os juízes argentinos que vão ao encontro de Bolsonaro na Casa Rosada, sede do Executivo.

Essa alteração de última hora revela a preocupação com a segurança de Bolsonaro nos deslocamentos.

Principais assuntos

Na Casa Rosada, Bolsonaro participa de uma reunião privada com Macri, seguida de uma reunião com os sete ministros que acompanham o presidente brasileiro. 

Os assuntos centrais são Segurança na fronteira, Assistência Jurídica Mútua em Matéria Penal, troca de energia entre os dois países, cooperação em Bioenergia e em Biocombustíveis, a crise na Venezuela e as negociações do Mercosul com a União Europeia por um acordo comercial.

Haverá uma declaração à imprensa e um encontro com parlamentares e juízes.

Depois da Casa Rosada, o presidente vai encerrar um seminário de sobre assuntos de Defesa na Embaixada do Brasil em Buenos Aires. Ele termina a jornada com uma apresentação de negócios com empresários argentinos.

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima

Alemanha declara guerra aos carros SUVs por poluírem e ocuparem muito espaço em estacionamentos