rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Roda de samba feminina faz sucesso em Paris

Por Silvano Mendes

Há sete meses a gaúcha Karina Paim anima em Paris uma roda de samba só de mulheres. O evento, que faz parte do projeto Parioká, tem atraído brasileiros nostálgicos e franceses curiosos. Além da dimensão festiva, o programa conta com debates sobre temas voltados para as brasileiras que vivem na capital francesa.

Todas as primeiras sextas-feiras do mês o coletivo Parioká se reúne em um lugar de Paris – geralmente no Les Petites Gouttes, um restaurante bistrô no 18° distrito da capital – para uma roda de samba. “O evento foi feito no início para os brasileiros, mas já está atingindo outros públicos também”, conta Karina, que já recebeu franceses, colombianos, mexicanos, entre outros. “O samba agrada a todos”, celebra a cantora e percussionista.

Karine começou a carreira em Porto Alegre, onde fez parte do grupo “Agora que são elas”, antes de participar de rodas de samba no Rio Janeiro. Com Parioká (junção de Paris com Carioca), ela importa o conceito para a capital francesa, sempre valorizando o papel das mulheres sambistas.

“Sempre houve uma presença importante de mulheres no samba, mas nunca foi totalmente valorizada”, defende a gaúcha, que vê no projeto um certo engajamento feminista. “O samba já é política, e mulher no samba também é algo político, então Parioká tem uma dimensão militante”, explica a fundadora do coletivo.

Apoio para brasileiras que vivem no exterior

Todos caem na dança entre 21h e 2h da manhã. Mas além da roda de samba, os eventos de Parioká contam, desde março, com “Papo de mulher”, uma série de debates sobre temas que podem interessar as brasileiras que vivem em Paris. “Nós, como mulheres brasileiras na França, como imigrantes, muitas vezes nos sentimos sozinhas, sem apoio”, comenta Karina.

As conversas acontecem entre 19h e 21h, antes do início do show. Na edição de maio, que contou com a participação de uma psicóloga, o tema discutido foi dependência emocional. “O próximo será sexualidade feminina”, anuncia a fundadora. “É um evento sem fins lucrativos. É feito para as mulheres se reunirem, se ajudarem e desenvolverem os assuntos. Como em um bate papo de boteco”, explica. A programação é disponível no site www.parioka.com

Governo ataca liberdade de expressão no Brasil e o povo não se dá conta, diz Leandro Demori, do Intercept

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

"Quero viver de arte", diz jovem pintora maranhense que expôs na França

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato