rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Roda de samba feminina faz sucesso em Paris

Por Silvano Mendes

Há sete meses a gaúcha Karina Paim anima em Paris uma roda de samba só de mulheres. O evento, que faz parte do projeto Parioká, tem atraído brasileiros nostálgicos e franceses curiosos. Além da dimensão festiva, o programa conta com debates sobre temas voltados para as brasileiras que vivem na capital francesa.

Todas as primeiras sextas-feiras do mês o coletivo Parioká se reúne em um lugar de Paris – geralmente no Les Petites Gouttes, um restaurante bistrô no 18° distrito da capital – para uma roda de samba. “O evento foi feito no início para os brasileiros, mas já está atingindo outros públicos também”, conta Karina, que já recebeu franceses, colombianos, mexicanos, entre outros. “O samba agrada a todos”, celebra a cantora e percussionista.

Karine começou a carreira em Porto Alegre, onde fez parte do grupo “Agora que são elas”, antes de participar de rodas de samba no Rio Janeiro. Com Parioká (junção de Paris com Carioca), ela importa o conceito para a capital francesa, sempre valorizando o papel das mulheres sambistas.

“Sempre houve uma presença importante de mulheres no samba, mas nunca foi totalmente valorizada”, defende a gaúcha, que vê no projeto um certo engajamento feminista. “O samba já é política, e mulher no samba também é algo político, então Parioká tem uma dimensão militante”, explica a fundadora do coletivo.

Apoio para brasileiras que vivem no exterior

Todos caem na dança entre 21h e 2h da manhã. Mas além da roda de samba, os eventos de Parioká contam, desde março, com “Papo de mulher”, uma série de debates sobre temas que podem interessar as brasileiras que vivem em Paris. “Nós, como mulheres brasileiras na França, como imigrantes, muitas vezes nos sentimos sozinhas, sem apoio”, comenta Karina.

As conversas acontecem entre 19h e 21h, antes do início do show. Na edição de maio, que contou com a participação de uma psicóloga, o tema discutido foi dependência emocional. “O próximo será sexualidade feminina”, anuncia a fundadora. “É um evento sem fins lucrativos. É feito para as mulheres se reunirem, se ajudarem e desenvolverem os assuntos. Como em um bate papo de boteco”, explica. A programação é disponível no site www.parioka.com

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura