rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Por RFI

A revista francesa L’Obs traz em sua edição desta semana um artigo de opinião do filósofo brasileiro Vladimir Safatle. O professor da USP explica os anúncios de cortes no orçamento da educação no Brasil feitos pelo governo de Jair Bolsonaro e diz que as universidades do país se tornaram um alvo para o presidente.
 

Em texto de página inteira, o filósofo detalha as medidas anunciadas pelo governo, com destaque para o corte no orçamento das universidades federais e a intenção do chefe de Estado de suprimir alguns cursos de ciências humanas. “Ao reduzir as subvenções dos departamentos de filosofia e sociologia, o novo presidente visa uma juventude que lhe é hostil”, afirma Safatle.

No entanto, continua o texto, as medidas não são uma surpresa. “Dois dias após sua eleição Bolsonaro postou vídeos nos quais prometia menos política nas escolas, já mostrando que a luta contra a educação nacional seria uma de suas prioridades”.

Segundo o professor, ao atacar as instituições universitárias, “o Estado brasileiro aplica a política habitual dos governos de extrema direita”. Ele compara a situação atual do Brasil com o que aconteceu em países como Hungria e Turquia onde professores foram perseguidos e departamentos de faculdades fechados.

“Esses governos sabem que nunca terão o apoio do mundo universitário, pois é das universidades que vêm uma boa parte dos princípios que eles combatem”, continua o filósofo. “É ali que começa o desejo de mudanças e de renovação de conceitos como identidade, fronteira, origem e pertencimento, que estão no cerne do debate político”, insiste.

Mas Safatle lembra que o Brasil vive um momento particular, com uma transformação na composição das universidades do país na última década. “Atualmente, 51,2% dos estudantes das universidades federais são negros, 54,6% são mulheres e 70,2% tem uma renda média inferior a 1,5 salário mínimo”, explica.

Segundo ele, a universidade é um dos raros setores no qual os investimentos públicos foram realmente voltados para os mais pobres e mais vulneráveis. Mas essa evolução não corresponde ao que o regime Bolsonaro quer impor na sociedade, afirma.

De acordo com o filósofo, o governo Bolsonaro, formado por “militares nostálgicos da ditadura, representantes de uma elite econômica que valoriza a concentração de renda e a precariedade do trabalho e pastores evangélicos guiados por uma agenda conservadora”, se inspira no modelo implementado no Chile no final dos anos 1970, com “Augusto Pinochet e seus Chicago Boys”. E amordaçar as universidades públicas é o primeiro passo, conclui Vladimir Safatle nas páginas da revista L’Obs.

Amazônia: especialistas franceses debatem princípios de justiça climática

Equipamento "revolucionário" de radioterapia entusiasma oncologistas franceses

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo

A alguns dias das eleições europeias, imprensa francesa analisa "epidemia populista" no Velho Continente

O ministério da "incultura" do Brasil deve alimentar debates no Festival de Cannes

Evangélicos concorrem com muçulmanos em busca de novos fiéis nas periferias francesas

Coquetéis molotov e aplicativos que distorcem vozes: como os coletes "ultra-amarelos" planejam a "revolução"