rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Negro, gay e comunista”, cubano Bola de Nieve é homenageado pela cantora Fabiana Cozza em Paris

Por Márcia Bechara

Cuba. Canção latino-americana. Revolução. Cabaré. Uma pletora de temas muito apetitosos e que ilustram a potência do universo de um dos artistas mais importantes do século 20, o cubano Bola de Nieve. Ele é o intérprete revisitado pelo concerto “Ay Amor”, dirigido por Elias Andreato, na voz da cantora brasileira Fabiana Cozza. O concerto acontece nesta quarta-feira (19) em Paris, no Studio L'Ermitage. Cozza se apresenta ao lado do pianista cubano Pepe Cisneros.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo ao fim do texto

"Bola de Nieve foi um grande intérprete e um homem que sofreu com preconceitos de diversas ordens. Não só porque era negro, mas porque era homossexual e porque foi um grande artista no auge da revolução cubana", conta a intérprete brasileira Fabiana Cozza.

"Depois que ele fica muito famoso, sobretudo no México, e volta a Cuba como 'Bola de Nieve', ele grava essa canção "Mésiè Julian", tem um tanto de ironia, como se dissesse 'eu sou muito maior do que eu era antes de sair daqui (...) e levo a minha cultura e a minha música afro-cubana para o mundo'", lembra a artista brasileira.

Cabaré

O show "Ay Amor" foi concebido para pequenos lugares, o que dá, segundo a cantora, uma atmosfera de cabaré. "Venho de um trabalho com a Linda Wise (Panthéâtre) aqui em Paris. O meu trabalho de interpretação e performance caminha então numa linha que se aproxima de grandes intérpretes brasileiras como Cida Moreira e Maria Bethânia, que trazem essa atmosfera", diz Cozza.

"O Bola de Nieve, as canções que escolhi junto com Pepe Cisneros para interpretar, são canções de afirmação sobretudo de uma defesa do amor", afirma Fabiana. Ele era um grande defensor do amor, com todos os seus matizes, a desilusão, a saudade, o abandono... Mas ele não desistia do amor", pontua a cantora.

O concerto "Ay, Amor" acontece no dia 19 de junho, no Studio de L´Ermitage, em Paris, em sua primeira apresentação europeia após os concertos em Havana, onde a equipe gravou o DVD deste trabalho, que será lançado em 2020.

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni