rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Negro, gay e comunista”, cubano Bola de Nieve é homenageado pela cantora Fabiana Cozza em Paris

Por Márcia Bechara

Cuba. Canção latino-americana. Revolução. Cabaré. Uma pletora de temas muito apetitosos e que ilustram a potência do universo de um dos artistas mais importantes do século 20, o cubano Bola de Nieve. Ele é o intérprete revisitado pelo concerto “Ay Amor”, dirigido por Elias Andreato, na voz da cantora brasileira Fabiana Cozza. O concerto acontece nesta quarta-feira (19) em Paris, no Studio L'Ermitage. Cozza se apresenta ao lado do pianista cubano Pepe Cisneros.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo ao fim do texto

"Bola de Nieve foi um grande intérprete e um homem que sofreu com preconceitos de diversas ordens. Não só porque era negro, mas porque era homossexual e porque foi um grande artista no auge da revolução cubana", conta a intérprete brasileira Fabiana Cozza.

"Depois que ele fica muito famoso, sobretudo no México, e volta a Cuba como 'Bola de Nieve', ele grava essa canção "Mésiè Julian", tem um tanto de ironia, como se dissesse 'eu sou muito maior do que eu era antes de sair daqui (...) e levo a minha cultura e a minha música afro-cubana para o mundo'", lembra a artista brasileira.

Cabaré

O show "Ay Amor" foi concebido para pequenos lugares, o que dá, segundo a cantora, uma atmosfera de cabaré. "Venho de um trabalho com a Linda Wise (Panthéâtre) aqui em Paris. O meu trabalho de interpretação e performance caminha então numa linha que se aproxima de grandes intérpretes brasileiras como Cida Moreira e Maria Bethânia, que trazem essa atmosfera", diz Cozza.

"O Bola de Nieve, as canções que escolhi junto com Pepe Cisneros para interpretar, são canções de afirmação sobretudo de uma defesa do amor", afirma Fabiana. Ele era um grande defensor do amor, com todos os seus matizes, a desilusão, a saudade, o abandono... Mas ele não desistia do amor", pontua a cantora.

O concerto "Ay, Amor" acontece no dia 19 de junho, no Studio de L´Ermitage, em Paris, em sua primeira apresentação europeia após os concertos em Havana, onde a equipe gravou o DVD deste trabalho, que será lançado em 2020.

Monólogo de ator brasileiro em Avignon resgata canções desconhecidas de Pasolini, entre erotismo e engajamento

Ricupero: Bolsonaro nomear filho embaixador nos EUA “é chocante e sem precedentes”

Rodrigo Ferreira: dos templos evangélicos no Brasil à cena lírica internacional

“O combate à corrupção no Brasil é uma mentira”, diz sociólogo Jessé Souza

Christiane Jatahy em Avignon: “Há no Brasil um pensamento ditatorial para calar a diferença”

“ONU está em alerta para acolher defensores de direitos humanos do Brasil”, diz deputada Renata Souza

“Lutamos tanto para conquistar um pouco de direitos humanos e a gente vai retirar isso?” questiona Marcelo D2 em entrevista em Paris

Acordo UE e Mercosul não é motivo para ufanismo em queda de preços, diz ex-embaixador Graça Lima

Tecnologias do semiárido brasileiro podem ajudar a alimentar imigrantes venezuelanos na Colômbia

"Governo de divisão social, oposto dos anteriores", diz autor de livro sobre Bolsonaro

Advogada do Consulado em Los Angeles analisa situação de brasileiros sem documentos nos EUA

"O ator precisa ter cartas na manga", diz Letícia Spiller sobre carreira de cantora

Brasil não é um dos países que mais usa agrotóxicos, isso é “balela”, diz ministra Tereza Cristina

“Bolsonarismo é uma articulação de radicalismo liberal com autoritarismo social”, diz professor da UERJ

Intolerância a valores progressistas pode impactar na publicidade, diz pesquisadora

Entre identidade e melodia, sambas-enredo "recuperam identidade brasileira", diz intérprete Ana Guanabara

"Camocim", documentário de Quentin Delaroche, recupera juventude idealista do interior de Pernambuco, no caos do esvaziamento ideológico do Brasil