rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

Por Marcos Lúcio Fernandes

O grupo Demônios da Garoa existe há 76 anos e já até entrou para o Guinness Book como o “Conjunto Musical mais antigo da América Latina em atividade”. Nesse mês de julho, eles passam pela França para participar do Festival Les Escales, que acontece nos dias 26, 27 e 28 na cidade de Saint-Nazaire. Nessa edição, o evento faz uma homenagem à cidade de São Paulo. Para falar sobre o primeiro show do grupo na Europa, a RFI conversou com o integrante mais novo, Ricardo Rosa, o Ricardinho.

Parte da 3ª geração do Demônios da Garoa, Ricardinho é filho de Sérgio Rosa, com quem divide o palco atualmente, e neto de Arnaldo Rosa, um dos fundadores do grupo. Ele lembra que os valores de família são a essência não somente da banda, mas também da base de fãs. “No Brasil, você vê o avô, o pai e o neto nos shows chorando e se emocionando. Não tem um churrasquinho que não sai um Trem das Onze ou Saudosa Maloca”, afirma.

Mas a “integração” de Ricardinho não foi automática. “Desde pequeno, acompanhei os ensaios, sempre quis estar no meio deles. Até que surgiu a oportunidade de entrar como músico de apoio primeiro, como percussionista. Ali, eu passei bons anos aprendendo, porque tem todo um laboratório em torno da maneira de cantar, a conduta no palco”, explica. “Para minha felicidade, após a gravação do DVD de 2005 fui convidado para me tornar um integrante oficial.”

Oportunidade única

Ricardinho lamenta que as primeiras formações do Demônios da Garoa não tiveram a chance de viajar ao continente europeu, mas o músico pretende aproveitar sua oportunidade de tocar na França. “Trazer todo esse legado e história para cá está sendo muito especial. Ontem já nos apresentamos num ‘pocket show’, tivemos um primeiro contato com o público francês, que nos agradou muito. São muito participativos, interagiram com a gente”, conta o músico.

Questionado sobre qual seria a essência da música de São Paulo, grande homenageada desta edição do Les Escales, Ricardinho não titubeou: “Modéstia à parte, é o Demônios da Garoa juntamente com Adoniran Barbosa, um casamento feliz da música popular brasileira. O Adoniran compondo e o Demônios da Garoa interpretando e transformando as músicas em sucesso.”

Ricardinho não exagera. O Demônios da Garoa foi eleito em 2001, por uma pesquisa realizada pelo jornal Folha de S. Paulo para a comemoração dos 450 anos da cidade, como a “personalidade que mais tem a cara da capital”. O grupo recebeu 28% dos 2191 votos.

Uma versão exclusiva de “Trem da Onze”, em francês, foi preparada para o festival. Além do Demônios da Garoa, participam do Les Escales artistas como Céu, Tássia Reis, Edgar e também os grupos Sepultura e Teto Preto. 

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”