rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Por Daniella Franco

A cantora e compositora brasileira Tássia Reis está em turnê pela Europa e se apresenta nesta sexta-feira (26) no festival Les Escales, na cidade de Saint-Nazaire, no noroeste da França: o evento que tem como tema esse ano o Brasil e a cidade de São Paulo. Em entrevista à RFI, a rapper fala sobre seu terceiro álbum, “Próspera”, que traz faixas autobiográficas, como “Preta D+”.

Rythm & blues, jazz, rap, trap, samba, afropunk… a música de Tássia Reis transita por diversos estilos e a própria cantora se classifica como “uma mistura”. “Todos esses ritmos e sonoridades fazem parte da minha construção e fica difícil escolher um só para me definir. Eu acredito que sou uma mistura de tudo isso e gosto de definir meu trabalho como ‘o som da Tássia’”, diz.  

Um trabalho que é autobiográfico, baseado nas experiências da artista. Contar a sua vida para o público, aliás, é um dos aspectos favoritos de seu trabalho, revela a rapper.

“Como eu escrevo todas as músicas, o assunto que eu mais gosto de falar é sobre a vida. Faço uma autoanálise dos meus sentimentos e pensamentos. Também sobre como as pessoas reagem e refletem sobre suas próprias vidas”, afirma.

Preta demais

Vocês me disseram que não poderiam me contratar
Porque minha aparência divergia do padrão
(Que padrão?)
Que eu era até legal
Mas meu cabelo era crespo demais,
Talvez alisar seria uma solução

Que eu tinha que me enxergar
Porque toda moça preta demais
Preta demais sabe que o seu destino é limpar chão

“Preta D+”, uma das faixas do novo álbum de Tássia Reis, denuncia o racismo que a cantora vivencia em seu cotidiano de mulher negra no Brasil. O objetivo, segundo ela, é quebrar paradigmas.

“Preta D+ é sobre minha vivência e, especialmente, sobre a sociedade que diz todos os dias sobre como uma mulher negra tem que se comportar, o que ela tem que fazer, o que ela tem que usar. Ou seja, os limites que a sociedade acaba nos impondo”, afirma.

No entanto, Tássia Reis acredita que, com luta e engajamento, a situação pode ser revertida. “É difícil e complicado viver e sobreviver na sociedade atual. Mas há sim possibilidades de existência. E nós, mulheres pretas, não devemos deixar que as pessoas ditem o que a gente tem que fazer”, afirma.

O próprio nome da faixa que dá nome ao álbum da artista, “Próspera”, trata de percursos que Tássia Reis se dispõe a trilhar para evoluir, apesar de todas as dificuldades.

“Sabemos que os caminhos não sempre fáceis e bons, mas são importantes para a nossa construção. Quando eu canto ‘better than ever’, significa que, apesar dos trancos e barrancos que eu tenho vivido, estou melhor do que nunca porque estou no meu melhor momento.”

Terminando sua turnê pela Europa, Tássia Reis volta para o Brasil, onde já tem um show agendando no Cine Joia, em São Paulo, no dia 9 de agosto.

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae