rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

Por Patricia Moribe

Criado em 1972, em plena ditadura, o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), ligado à CNBB (Conselho Nacional dos Bispos do Brasil), tem como objetivo contribuir junto aos povos indígenas na luta pela defesa de seus direitos. Gilberto Vieira, secretário adjunto do CIMI, faz um alerta sobre a situação dos indígenas no Brasil.

O Cimi não tem atuação na área dos Waiãpi, no Amapá, mas acompanha a luta indígena há mais de 45 anos. “O que observamos é que atos políticos expõem os indígenas e seus territórios a riscos”, diz Vieira. “São discursos preconceituosos e racistas que colocam a questão da demarcação em segundo, terceiro plano”, acrescenta.

A fragilização da Funai acelera ainda mais o processo, diz o representante do Cimi. Ele lembra a tentativa de atribuir uma das principais tarefas do órgão - de demarcação e proteção dos territórios - ao Ministério da Agricultura, iniciativa que acabou sendo derrubada por um processo legislativo. 

“Vemos, através da manifestação declarada do governo atual que de fato há um processo de abertura das terras indígenas e dos bens que esses povos têm preservado há muito tempo para interesses externos, como uma autorização para esses invasores”, conclui.

Vieira lembra que as terras Waiãpi já tinham sido alvo de ataques de garimpeiros nos anos 1980, mas que agora “esses interesses externos se sentem legitimados quando há um presidente que não reconhece a Constituição”.

Aumento de invasões

“As invasões de territórios indígenas vêm aumentando desde o começo do ano, como o das terras Karipuna, em Rondônia. Justamente por causa desse discurso de que não haveria mais demarcação – e é uma terra já homologada. Isso acontece também no Maranhão, no Pará”, lembra Gilberto.

“Se um governo faz esse tipo de declaração aberta, evidentemente que os invasores, que sempre existiram, isso se intensifica e eles se sentem legitimados. Ou seja, fica a ideia de que não haverá mais demarcações e as terras que já foram demarcadas ficam disponíveis. Não só o discurso, mas a prática do novo governo, desde o primeiro dia do mandato, com a intenção de fragilizar o órgão indigenista, tem colocado os povos indígenas sob pressão”.

Para ouvir a entrevista, clique na foto acima.

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae