rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

Por RFI

Em entrevista à RFI, o cientista político Francisco Fonseca, professor da Fundação Getúlio Vargas e da PUC-SP, analisou a postura do presidente brasileiro Jair Bolsonaro de desmarcar um encontro previsto com o chanceler francês, Jean-Yves Le Drian. Segundo ele, a atitude do líder brasileiro não é apenas um desrespeito, mas algo inaceitável para quem está no cargo que ocupa.

Lucas Senra, em colaboração com a RFI

O ministro francês das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, desembarcou no Brasil desde o sábado (27), para uma visita de quatro dias, com o intuito de estreitar parcerias estratégicas entre os dois países, desenvolver acordos econômicos, educacionais e de defesa. O encontro que o chanceler teria com o presidente brasileiro Jair Bolsonaro foi cancelado minutos antes da hora prevista.

Para o cientista político Francisco Fonseca, a postura do líder brasileiro não é condizente com seu cargo. “Desmarcar em cima da hora, com meia hora de antecedência, mentindo que haveria novas agendas importantes, quando na verdade foi cortar o cabelo, não apenas é uma mentira, um desrespeito e uma gafe, como é evidentemente algo inaceitável para quem está na presidência da República. Isso expressa um comportamento de quem efetivamente está desqualificado para estar no cargo”, avalia. O professor estima que Bolsonaro “não tem condição política, moral, nem ética”, e que o incidente representa uma grande “gafe internacional” e “um desrespeito às relações diplomáticas”.

O cientista político salienta que essa postura pode comprometer a relação entre os dois países, principalmente em razão da pauta de temas que estava prevista para a viagem. Dentre os assuntos que deveriam ser discutidos, estão inúmeras questões de ordem ambiental, como a Conferência de Santiago sobre mudanças climáticas (COP2019) que acontecerá no mês de dezembro, e a participação do Brasil no Acordo de Paris, texto firmado em 2015, que pretende diminuir a emissão dos gases que provocam o efeito estufa, e que é uma das prerrogativas para que o acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul seja validado. Fonseca aponta que uma eventual saída do Brasil do Acordo de Paris significaria um “alinhamento à extrema direita internacional, com a figura do próprio Trump, dentre outros líderes internacionais de extrema direita que desdenham do meio ambiente”.

Possível alinhamento com os EUA

Fonseca não descarta a hipótese de uma mudança de planos das políticas econômicas brasileiras, e um possível alinhamento com os EUA, que já anunciaram a saída do Acordo de Paris. “Bolsonaro tem uma postura subserviente, antissoberana, de entrega das riquezas, das empresas, das potencialidades energéticas brasileiras para os EUA. É algo absolutamente vergonhoso o que está acontecendo”.

O professor ressalta que um tratado de livre comércio entre Brasil e Estados Unidos beneficiaria fundamentalmente as empresas norte-americanas. “É algo que está no radar de Bolsonaro que, muito claramente, desde que assumiu, tem uma postura inteiramente pró Estados Unidos, e que, portanto, não tem uma visão plural, uma visão estratégica de relações internacionais com a Europa, com a América Latina, com a Ásia, com a África. É uma figura soturna que não tem capacidade de entender que as relações internacionais são globais, e evidentemente, plurais”, reitera. 

O gesto de Bolsonaro foi considerado “no mínimo descortês”, disseram à imprensa diplomatas que preferiram manter o anonimato. Os jornais franceses repercutiram o ato do presidente brasileiro, visto por alguns veículos como uma “desfeita”.

A viagem que se encerrou na terça-feira (30), teve passagens por Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, visita à base naval de Itaguaí (RJ), onde é realizado um importante projeto de cooperação bilateral entre os dois países. Apesar do clima ruim, o chanceler brasileiro Ernesto Araújo deu indicações de que o acordo entre os dois países será firmado, dizendo que abrirá perspectivas “excelentes” para o setor privado, e permitirá às empresas dos países dos dois blocos “se posicionarem melhor nas cadeias globais de valor”.  O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, e o govenador João Dória, que estiveram com o chanceler francês, ressaltaram a importância de se cumprir os compromissos assinados em 2015 para minimizar as consequências do aquecimento global.

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni