rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Graziano se despede da FAO e deixa Fome Zero como herança global

Chega ao fim nesta quarta-feira (31) o segundo mandato de José Graziano da Silva como diretor geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).Em seu lugar assume Qu Dongyu, vice-ministro da Agricultura da China, eleito no mês passado.

Rafael Belincanta, correspondente da RFI em Roma

Graziano ficou quase oito anos à frente da agência durante os quais o mentor do Fome Zero expandiu as fronteiras do programa que erradicou a fome no Brasil. Era julho de 2011 quando, por apenas 4 votos de diferença em segundo turno, José Graziano da Silva era eleito diretor geral da FAO. A vitória consagrou os êxitos do ex-ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome entre 2003 e 2004 e também a estratégia do Itamaraty que, à época, alicerçou as negociações com os países em desenvolvimento do G77 e a China.

Liderada pelo então ministro das Relações Exteriores Antonio Patriota, a diplomacia brasileira atuou em duas linhas de frente: adaptar em nível global os sucessos alcançados pelo Fome Zero no combate à pobreza e intensificar a cooperação entre os países do hemisfério Sul.

No início da década a imagem do Brasil no exterior era positiva e de credibilidade: em 2012 o Brasil foi o décimo maior doador ao Programa Mundial de Alimentos (WFP), com mais de US$85 milhões e centenas de toneladas de alimentos doados. E foi o próprio Graziano, agora como servidor humanitário da ONU, a anunciar a saída do Brasil do Mapa da Fome em 2014.

Multiplicação dos exemplos brasileiros

As ideias que deram certo no Brasil e que deram forma ao Fome Zero são consideradas por Graziano “ícones da política externa brasileira” e foram adaptadas a diferentes realidades nacionais em várias partes do mundo. Para citar alguns exemplos: o programa de merenda escolar do Brasil foi replicado em praticamente toda a América Latina e em muitos países africanos, assim como o incentivo a compras locais e o Programa para Aquisição de Alimentos (PAA), um dos mais exitosos para alavancar e sustentar a agricultura familiar, sobretudo na África e na Ásia.

Graziano trabalhou para resgatar a credibilidade da agência, fundada no pós-guerra para restabelecer a produção agrícola mundial. Ele recebeu uma organização inerte após 17 anos com um mesmo diretor – Jacques Diouf, do Senegal. Promoveu reformas internas e externas e conectou os cinco escritórios regionais, ou seja, envolveu os mais de 6 mil funcionários em um só lema: “trabalhando por Fome Zero”.

O brasileiro enfrentou o ceticismo de alguns países membros, sobretudo da União Europeia, ao reabrir as portas para as doações independentes diante de um orçamento congelado. Viu ameaçada a multilateralidade da organização por essas mesmas doações que eram destinadas somente a projetos de interesse dos doadores em detrimento da conjuntura global.

Esforços conjuntos

Graziano aprofundou os laços com as agências irmãs da FAO, o Programa Mundial Alimentar (WFP) e o Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), e também com outras agências da ONU como a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Unicef. O principal documento da FAO, o Relatório sobre o Estado da Insegurança Alimentar (SOFI, em inglês), hoje é publicado em conjunto com todas essas agências, levando em consideração todas as formas de má nutrição e as lacunas dos sistemas alimentares que hoje não promovem dietas saudáveis.

Mas enquanto o número de famintos no mundo aumenta, a obesidade também é maior. Hoje a estimativa é que 820 milhões de pessoas passam fome no mundo, sobretudo na Ásia e na África. O número de obesos é quase o mesmo e a epidemia de obesidade não poupa nenhum continente. Faltam pouco mais de 10 anos para se chegar à marca estabelecida pela ONU para atingir as metas de desenvolvimento sustentável e os conflitos, a emergência climática e a recessão econômica são hoje os principais obstáculos para erradicar a fome. Para Graziano, hoje no mundo “falta vontade política para direcionar os recursos necessários a erradicação da fome”.

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas

Alemanha: autor de ataque contra sinagoga afirma ter sido motivado por ideias de extrema direita

Briga por processo de impeachment pode fortalecer a reeleição de Trump

Postura instável de Trump no norte da Síria ameaça futuro de curdos e pode fortalecer grupo EI

Papa Francisco condena "proselitismo religioso que força conversões" na Amazônia

Com coalizão "Geringonça", socialista António Costa desponta como vencedor do pleito em Portugal

Assassinato de jornalista saudita completa um ano sem punição e sem corpo

Manifestante é ferido a tiros em Hong Kong em protesto contra festa da China comunista

Catedral de Manaus celebra missa para religiosos que irão ao Sínodo do Vaticano

Maioria no Senado americano, republicanos não temem ameaça de impeachment

Derrubada de vetos de Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade fortalece Congresso, diz presidente do Senado

Secretário-geral da ONU nega ter vetado Brasil e outros países na Cúpula do Clima