rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Morte de Marielle continua pairando na vida política do Brasil, diz revista francesa

A revista francesa L’Obs traz em sua edição desta semana uma reportagem de quatro páginas sobre a morte da vereadora brasileira Marielle Franco. No texto, o enviado especial da publicação ao Rio de Janeiro relata os detalhes do crime e o mistério sobre os mandantes do assassinato.

A reportagem começa abordando os últimos momentos da vida da vereadora e militante, os detalhes sobre o assassinato e a investigação que teve início em março de 2018. L’Obs lembra uma série de aspectos que chamam a atenção na história. Como um morador de rua, testemunha do crime, que foi ignorado pela polícia e só teve seu relato levado em conta por causa de uma jornalista do jornal O Globo que o entrevistou, antes de desaparecer. Ou ainda o fato de que as câmeras de vigilância da rua onde Marielle foi assassinada estavam desligadas no momento de sua morte.

A reportagem explica que dois homens já foram presos, acusados de serem os autores do crime. No entanto, o principal foco do texto é “a questão que assombra o Brasil”: quem mandou matar Mareille? “Para responder a essa pergunta, primeiro é preciso entender quem era Marielle”, continua a revista, que traça um perfil da vereadora.

“A imprensa destaca o fato dela ser negra, lésbica e de esquerda. Mas essa mulher excepcional não era apenas isso”, escreve o enviado especial Philippe Boulet-Gercourt.

L’Obs conta que a vereadora começou sua carreira ao lado de Marcelo Freixo, deputado estadual que chegou a se exilar no exterior temendo ameaças, após ter presidido uma comissão parlamentar que desembocou na prisão de 255 pessoas. Há quem pense, explica a reportagem, que os mandantes da morte da vereadora queriam atingir indiretamente Freixo. Mas há aqueles para quem o assassinato é ligado ao que Marielle representava, com seu discurso em defesa das mulheres, dos negros e da comunidade LGBT.

Milícias da extrema direita e família de Bolsonaro

“O mais perturbador nessa história é a onipresença das milícias da extrema direita em todas as esferas da investigação e de suas ligações com a família do presidente brasileiro Jair Bolsonaro”, ressalta a revista. O texto lembra que Ronnie Lessa, apontado como o assassino da vereadora, vivia no mesmo condomínio que o atual chefe de Estado e que uma de suas filhas chegou a ter um envolvimento amoroso com Carlos Bolsonaro.

Marcelo Freixo, entrevistado pela revista, pondera essa hipótese. Segundo ele, seria um exagero estabelecer uma relação entre Bolsonaro e o crime apenas porque o atual chefe de Estado era vizinho do assassino. “Cabe à Polícia Federal investigar todas as suspeitas”, declarou o deputado à L’Obs. Enquanto isso, “a morte de Marielle continua pairando no ar político poluído do Rio de Janeiro e do Brasil”, conclui a reportagem.

Surfar no metrô de Paris diante da Torre Eiffel virou moda entre jovens aventureiros

Papa Francisco trava batalha contra grupo de milionários americanos que bloqueiam reformas na Igreja

Mais ecológico e disposto a rever lei do asilo, “novo Macron” mira eleitores de Le Pen

TV e rádio públicas francesas ampliam tempo de programação para meio ambiente

Amazônia: especialistas franceses debatem princípios de justiça climática

Equipamento "revolucionário" de radioterapia entusiasma oncologistas franceses

Bilionário legendário de Wall Street investe toda a sua fortuna em tecnologias limpas

Bióloga brasileira denuncia tensões ideológicas na universidade após eleição de Trump

Ambição expansionista da China passa pela conquista dos portos mundiais, diz revista Le Point

Ortopedista russo faz algumas crianças com paralisia cerebral recuperar movimentos na Espanha

Manifesto de 50 médicos, magistrados e políticos pede legalização da maconha na França

Ao atacar universidade, Bolsonaro visa uma juventude que lhe é hostil, diz Safatle

Técnica da seleção francesa de futebol visa troféu e não dá bola para sexismo