rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Sucesso de livro “zoando” do jeito baiano de ser surpreende autor

Por Elcio Ramalho

Já ouviu falar em Ingresia? Este é o nome original que o jornalista Franciel Cruz escolheu para o livro de crônicas que ele escreveu sobre a Bahia e o jeito baiano de ser, com uma análise autocrítica e bem-humorada. A recepção da obra, publicada graças ao financiamento participativo, surpreendeu o autor. Depois de lançamentos em várias cidades brasileiras, o jornalista veio à Europa promover “Ingresia”.

Ingresia é uma palavra comum no vocabulário regional do sertão baiano. Ela existe no dicionário e significa confusão, balburdia. O título, acrescido do subtítulo: “chibanças e 600 demônhos”, dá o tom da obra de Franciel Cruz. “É uma zoada de feira livre do sertão. Procuro não ser condescendente com a Bahia, porque a Bahia se acha. Se continuar elogiando, vira uma presepada”, brinca o autor em entrevista à RFI.

A descontração e a coloquialidade de Franciel Cruz marcam o estilo de sua escrita. “Eu quis escrever errado, como diria Oswald de Andrade, usar a linguagem certa do povo, a linguagem errada da rua que me atrai e acabou virando um ‘francielismo’”, define o escritor inventando mais um neologismo.

Desconstrução da baianidade

As crônicas propõem uma imersão da Bahia profunda e são uma “declaração de amor crítica” do ponto de vista de quem vive o dia a dia da “cidade provinciana de Salvador, com todas as dores e as delícias de uma província”, ironiza.

O jornalista mora na capital baiana, mas nasceu em Irecê, no interior. Ele se declara um sertanejo, mais áspero e sem o clichê da “malemolência” dos moradores de seu Estado. Franciel não se sente muito confortável com o conceito de baianidade, que normalmente remete a “uma visão do mar, a Caymmi, ao Recôncavo, e, como até brinco muito com Caetano, à vedete de Santo Amaro”. Ele diz que fez um livro anti-baiano, apesar de ser também extremamente baiano.

Essa visão agradou. O livro foi financiando por crowdfunding. Inicialmente, o escritor achava que iria vender no máximo 200 livros, apenas para os amigos. Mas antes mesmo de terminar a escrita, a “vaquinha” feita pela internet em 45 dias superou mais de 400 exemplares vendidos antecipadamente.

“Ingresia já ciscou mais do que uma galinha. Digo que ele vai me arrastando e agora me trouxe a Barcelona e a Paris. (...) Há até uma proposta de tradução para o catalão”, antecipa, rindo, Francinel Cruz.

 

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae