rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Sucesso de livro “zoando” do jeito baiano de ser surpreende autor

Por Elcio Ramalho

Já ouviu falar em Ingresia? Este é o nome original que o jornalista Franciel Cruz escolheu para o livro de crônicas que ele escreveu sobre a Bahia e o jeito baiano de ser, com uma análise autocrítica e bem-humorada. A recepção da obra, publicada graças ao financiamento participativo, surpreendeu o autor. Depois de lançamentos em várias cidades brasileiras, o jornalista veio à Europa promover “Ingresia”.

Ingresia é uma palavra comum no vocabulário regional do sertão baiano. Ela existe no dicionário e significa confusão, balburdia. O título, acrescido do subtítulo: “chibanças e 600 demônhos”, dá o tom da obra de Franciel Cruz. “É uma zoada de feira livre do sertão. Procuro não ser condescendente com a Bahia, porque a Bahia se acha. Se continuar elogiando, vira uma presepada”, brinca o autor em entrevista à RFI.

A descontração e a coloquialidade de Franciel Cruz marcam o estilo de sua escrita. “Eu quis escrever errado, como diria Oswald de Andrade, usar a linguagem certa do povo, a linguagem errada da rua que me atrai e acabou virando um ‘francielismo’”, define o escritor inventando mais um neologismo.

Desconstrução da baianidade

As crônicas propõem uma imersão da Bahia profunda e são uma “declaração de amor crítica” do ponto de vista de quem vive o dia a dia da “cidade provinciana de Salvador, com todas as dores e as delícias de uma província”, ironiza.

O jornalista mora na capital baiana, mas nasceu em Irecê, no interior. Ele se declara um sertanejo, mais áspero e sem o clichê da “malemolência” dos moradores de seu Estado. Franciel não se sente muito confortável com o conceito de baianidade, que normalmente remete a “uma visão do mar, a Caymmi, ao Recôncavo, e, como até brinco muito com Caetano, à vedete de Santo Amaro”. Ele diz que fez um livro anti-baiano, apesar de ser também extremamente baiano.

Essa visão agradou. O livro foi financiando por crowdfunding. Inicialmente, o escritor achava que iria vender no máximo 200 livros, apenas para os amigos. Mas antes mesmo de terminar a escrita, a “vaquinha” feita pela internet em 45 dias superou mais de 400 exemplares vendidos antecipadamente.

“Ingresia já ciscou mais do que uma galinha. Digo que ele vai me arrastando e agora me trouxe a Barcelona e a Paris. (...) Há até uma proposta de tradução para o catalão”, antecipa, rindo, Francinel Cruz.

 

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação