rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa

Por Adriana Brandão

“É chique morar em Paris?” Este é o título instigante do novo livro de Marcia Camargos, escritora, jornalista e historiadora brasileira radicada na capital francesa há três anos. Numa escrita leve e bem-humorada, a autora tenta desmistificar o glamour que é normalmente associado à cidade luz.

Marcia Camargos é especialista da obra de Monteiro Lobato e do modernismo brasileiro. Ela tem mais de 25 livros publicados no Brasil. “É chique morar em Paris?” chega agora às livrarias brasileiras pela Folhas de Relva Edições. A edição bilíngue, em português e francês, é ilustrada e traz também informações históricas sobre a França e a capital. Os oito capítulos são baseados na experiência pessoal de adaptação à vida parisiense da escritora que se mudou para a cidade em 2016, após se casar com um francês.

Uma das características da sociedade francesa é a burocracia administrativa. O sistema se revela um quebra-cabeça para os estrangeiros que “não dominam ainda o idioma e se deparam com funcionários públicos nem sempre dispostos a te orientar como se deve”, conta a escritora.

Ao mostrar o lado B da cidade, Marcia Camargos quis também alertar quem está desembarcando, com o projeto de se instalar no país, de que nem tudo é um mar de rosas: “Eu mostro todos os meandros da burocracia. Uma coisa é você vir como turista, passar uma semana fazendo compras nas Galeries Lafayette, visitando o Louvre e comendo bem. Outra, é você se estabelecer aqui, tendo que tirar uma série de documentos, abrir conta no banco... É bastante complicado, demorado”.

Aliás, não é à toa que burocracia vem da palavra francesa "bureau", que significa escritório, lembra a jornalista no livro.

Capa do livro da escritora Marcia Camargos. Arquivo Pessoal

32 de maio!

A brasileira relata situações desconcertantes, como o carimbo em seu passaporte no dia em que chegou à França: 32 de maio! Ela precisava do documento para pedir a carta de residência, o famoso “titre de séjour”, e temeu que a data esdrúxula complicasse todo o processo. Deu tudo certo e o erro acabou gerando uma cena de descontração: “Quando fui renovar meu 'titre de séjour', o funcionário morreu de rir. Meu passaporte passou de mão em mão na repartição e descontraiu o ambiente, em geral um pouco pesado e mal-humorado dessas repartições públicas”.

Ela quis entender a origem desse “mau-humor crônico dos parisienses que não se pode negar”. Depois de pesquisar, chegou à conclusão que ele se deve à ocupação nazista durante a Segunda Guerra Mundial: “Ter que engolir aquela presença foi bastante humilhante. É uma teoria. Não tem fundamento científico, mas acho que isso contribuiu bastante, principalmente em Paris, que foi a cidade que mais sofreu.”

A jornalista ensina as quatro palavras mais usadas no país, sendo que a primeira delas é o imprescindível “bonjour”. O jeito descontraído de pedir uma informação no Brasil é inaceitável na França: “Aqui você sempre tem que falar primeiro 'bonjour', seja para o que for”, ensina.

Extraterreste

“É chique morar em Paris?” desmistifica o glamour da capital e dos franceses, mas a autora ressalta que foi muito bem acolhida pela família de seu marido e que ama a França, país com muitas qualidades, como seu sistema de saúde pública - “que lembra Cuba”.

Para escrever o livro, Marcia Camargos se inspirou em um best-seller do século 20, “How to be an alien”, escrito por George Mikes, um húngaro radicado na Inglaterra, que com muito humor fala das esquisitices dos ingleses. Brincando, a mineira criada em São Paulo garante que não se tornou ainda um extraterrestre. Ela continua cidadã brasileira e participando de manifestações na França contra o atual governo, apesar de críticas de compatriotas que dizem que “falar mal do Brasil de Paris é fácil”. “A adaptação a um novo país nunca termina”, conclui a autora.

 

 

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae