rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Lorenzoni detalha à RFI decisão do Brasil de rejeitar ajuda do G7 para a Amazônia

O governo Bolsonaro não está completamente alinhado sobre a ajuda financeira de US$ 20 milhões, oferecidos ao Brasil pelo grupo dos países mais ricos do mundo. O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles disse que os recursos externos são “bem-vindos”. Mas não é o que pensa o ministro da Casa Civil. Em entrevista exclusiva à Rádio França Internacional, Onyx Lorenzoni afirmou que o governo brasileiro está tomando as medidas necessárias para acabar com os incêndios florestais na Amazônia e sugeriu outro destino aos valores estrangeiros.

"O Macron deveria se preocupar mais com a Europa e com o próprio país dele e esse dinheiro que ele quer oferecer ao Brasil, ele que gaste lá para reflorestar a França e a Europa que foram completamente devastadas. O Brasil, de uma maneira firme e soberana, vai continuar dizendo para o mundo todo: a Amazônia brasileira é brasileira, disse o ministro Onyx Lorenzoni.

O ministro reforçou ainda que a posição do governo é bem clara, que a GLO - Garantia Lei da Ordem - está em andamento e que cerca de 80% focos de incêndio já foram controlados.

Além do ministro do ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, que chegou a dizer que os US$ 20 milhões do G7 eram “bem-vindos”, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, está no time dos acham que a ajuda financeira vai sim contribuir nas ações de combate aos incêndios. Ele disse que essa troca de acusações entre Bolsonaro e Macron atrapalha negociações importantes, como essa.

Troca de farpas

A troca de farpas entre os presidentes do Brasil e da França tem ganhado - a cada dia - novos capítulos e muita repercussão. No meio disso tudo: a floresta amazônica continua em chamas. No termômetro diplomático, as provocações seguem de ambos os lados.

Emmanuel Macron falou em "status internacional" para a floresta brasileira, Jair Bolsonaro deu a entender que por trás dessa colaboração financeira há interesse na Amazônia e mandou um recado ao colega francês: “Será que alguém ajuda alguém - sem retorno? O que que eles querem lá há tanto tempo?"

Pelas redes sociais, Bolsonaro continuou com as críticas ao presidente francês. Escreveu: “Não podemos aceitar que um presidente, Macron, dispare ataques descabidos e gratuitos à Amazônia, nem que disfarce suas intenções atrás da ideia de uma "aliança" dos países do G-7 para "salvar" a Amazônia, como se fôssemos uma colônia ou uma terra de ninguém”.

Reunião com governadores

Nesta terça-feira, às 10h da manhã pelo horário de Brasília, o presidente brasileiro se reúne com os governadores dos estados da Amazônia legal. Nesse encontro de emergência a pedido dos governadores, Bolsonaro adiantou que vai esclarecer o real interesse por trás dos posicionamentos de outros países em relação a floresta amazônica.

Além disso, ele tem buscado ajuda de países fora do eixo europeu.Bolsonaro priorizou o apoio de aliados, entre eles os Estados Unidos e Israel. A estratégia da presidência brasileira é uma tentativa de isolamento de Macron, para evitar que o presidente francês conquiste uma mobilização internacional na ajuda ao Brasil no combate às queimadas na Amazônia.

O porta-voz da presidência brasileira, Otávio Rêgo Barros, também rebateu a fala do presidente francês sobre o “status internacional” da floresta amazônica. Ele disse que "sobre a Amazônia falam brasileiros e as forças armadas".

Uso de dinheiro recuperado pela lava jato

A procuradora-geral da República Raquel Dodge enviou ao STF a sugestão para que parte do dinheiro recuperado da Petrobras com a operação Lava Jato seja usado também no combate às queimadas. Ela propôs ao ministro Alexandre de Moraes que R$ 1,2 bilhão sejam destinados para controlar os incêndios, mas ele ainda não tomou nenhuma decisão.

Enquanto isso, procuradores-gerais de Justiça dos estados da Amazônia vieram até Brasília para uma reunião de emergência com Raquel Dodge. Uma frente do Ministério Público em defesa da floresta foi criada e a procuradora-geral solicitou ao ministério da Justiça e Segurança Pública a abertura de inquérito para apurar a queimadas na Amazônia. Dodge suspeita de uma ação planejada

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas