rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Por Márcia Bechara

Lançada na manhã desta segunda-feira (26), a hashtag #DesculpaBrigitte subiu rapidamente no Twitter, após a notícia de que o presidente brasileiro Jair Bolsonaro teria reagido rindo a um insulto no Facebook à primeira-dama francesa, um post que ele chegou a compatilhar em suas redes sociais. O movimento, reforçado nesta terça-feira (27) pelo lançamento de dois abaixo-assinados de brasileiras que moram na França, emocionou Brigitte Macron. Um desses documentos, que já recebeu cerca de 2.000 assinaturas, veio do grupo Facebook "Brasileiras de Paris". A tradutora gaúcha Bruna Beffart, que faz parte desta comunidade e acompanhou a iniciativa desde o seu surgimento no grupo, comenta as motivações que levaram as brasileiras a prestarem solidariedade à primeira-dama da França.

*Para ver a entrevista na íntegra, clique no vídeo abaixo

A tradutora Bruna Beffart conta que o grupo, que reúne cerca de 5.000 brasileiras no Facebook, já havia se posicionado politicamente há tempos contra "a misoginia do Bolsonaro", "bastante evidente". 

"Nossa primeira ideia na verdade não era nem pedir desculpas para a Brigitte, porque não fizemos nada de errado. Inclusive, somos prejudicadas enquanto mulheres por essa postura. Nossa intenção foi demonstrar solidariedade e empatia, porque todas nós, como mulheres, já passamos por uma situação onde recebemos comentários não-solicitados sobre nossa aparência", diz. "Isso acontece raramente com os homens, ou quase nunca acontece, nem na esfera privada, nem na pública", lembra a brasileira.

"Essa foi uma oportunidade de chamar a atenção para a misoginia de Bolsonaro. Sabemos muito bem que a Brigitte Macron não foi a primeira mulher atacada por ele. Lembro especialmente da nossa ex-presidente Dilma Rousseff [quando Bolsonaro fez saudação ao torturador de Dilma, Brilhante Ustra, durante o voto do impeachment] e da [deputada pelo PT do Rio Grande do Sul] Maria do Rosário", afirma Bruna.

"São dois casos emblemáticos da nossa política que, isoladamente, já seriam, na minha opinião, suficientes para cassar o mandato do Bolsonaro quando era deputado", avalia. "Nossa ex-presidente foi vítima de um golpe com muita misoginia. É muito complicado imaginar que essa pessoa [Bolsonaro] possa se eleger presidente com votos femininos", diz Beffart.

Quanto aos insultos do presidente brasileiro à primeira-dama francesa, ela própria decidiu agradecer, em português, o apoio de mulheres e homens brasileiros à hashtag #DesculpaBrigitte: "Muito obrigada!", declarou ela, em frente às câmeras de televisão. Clique no vídeo abaixo para ver a entrevista completa com Bruna Beffart, nos estúdios da RFI Brasil.

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae