rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Por Silvano Mendes

Na esteira do empoderamento feminino, têm se multiplicado os programas de formações e ferramentas para ajudar as mulheres a se posicionarem no mercado. Uma empresa brasileira decidiu acompanhar um grupo de empresárias até Paris para conhecerem de perto e se inspirarem de histórias de mulheres de sucesso, mas também desfrutarem da capital francesa, “a mais feminina das cidades”, segundo as organizadoras do projeto.

Um grupo de 27 empresárias brasileiras está nesse momento passando uma semana em Paris. Longe do turismo habitual, a viagem, organizada pela empresa de formação Sonata Brasil, é apresentada como um programa de autoconhecimento.

“São mulheres que optam por se empoderar e investir nas suas carreiras. Líderes executivas, empresárias, profissionais autônomas, e pessoas que já tem as suas carreiras consolidadas no mercado, já têm as suas formações, muitas com pós-graduação e mestrados, e vêm buscar algo mais”, explica Sheila Sampaio, uma das sócias da Sonata Brasil, que acompanha o grupo em Paris.

“Queremos trazer as mulheres para se reconectarem com seu lado feminino que, muitas vezes, elas deixam de lado. Nada melhor do que Paris que, das grandes cidades, é a mais feminina no mundo e berço de grandes mulheres, como Edith Piaf, Marie Curie, Veuve Clicquot e tantas outras”, continua Sheila, que dirige a empresa junto com as fundadoras Soraia Schutel e Natalia Leite.

Concretamente, o programa, que as idealizadoras definem como “experiencial” e diferente de uma sessão de coach, como as que estão na moda atualmente, é formado por visitas, que vão de caves de champanhes e hotéis de luxo a jardins históricos, como os de Claude Monet em Giverny, ou ainda monumentos, como o Palácio de Versalhes. Apesar dos ares de passeio turístico, as organizadoras garantem que há uma dimensão prática, como visitas de ateliês e empresas como a marca de perfumes Fragonard, “liderada por mulheres, para nos inspirarmos nessa história e para que elas encontrem a sua essência”, pontua Sheila.

Segundo ela, as participantes deixam a cidade “inspiradas subjetivamente pela beleza da cidade, mas também pela história dessas mulheres e a força do que elas viveram”. O objetivo principal, insiste Sheila, é que “tudo o que elas estão investindo de tempo e de energia aqui surta resultado nos negócios quando voltarem para o Brasil”.

Ouça a entrevista completa clicando na foto acima ou assista o vídeo.

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae