rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Por Elcio Ramalho

Com o trabalho “Perda de Identidade Cultural”, que retrata a vida dos índios da tribo Waurá, do Alto Xingu, a fotógrafa mineira Liza Moura recebeu o prêmio “Découverte” (Descoberta, em português) do Perpignan OFF. O evento é paralelo ao Festival Visa Pour l’Image de fotojornalismo.

A série de 15 fotos exibida por Liza na 25ª edição do Perpignan OFF chamou a atenção do júri e também dos participantes presentes na cidade do sul da França, que tradicionalmente no mês de setembro seleciona os melhores trabalhos de fotógrafos contemporâneos.

Financeiramente o prêmio “Découverte” é simbólico, de € 300 (R$1.340), mas garante uma grande visibilidade profissional para o contemplado. Assim, o trabalho de Liza sobre o que considera um complexo processo de transformação cultural de comunidades indígenas ganhou uma nova dimensão.

“Resolvi fazer essa série porque muita gente tem a ideia de que o índio sempre está em festa, está sempre feliz, caça com arco e flecha. Não tem problema nenhum, exceto que a Amazônia está pegando fogo. Quando o índio tem contato com o branco, ele começa a querer ter a vida do homem branco, aí ele vai perdendo sua identidade cultural e por quê? Porque fica sem mais a vontade de preservar a floresta”, afirma.

Segundo Liza, esse contato com outros setores da sociedade muitas vezes resulta em trocas que desfiguram a natureza dos indígenas. “Muitos não ligam mais se vão queimar a floresta ou derrubar a mata, contanto que recebam dinheiro para ter acesso a objetos como celulares, televisão, fogão, ets. Eles não têm como usar isso lá, mas querem ter. Ao mesmo tempo que vão perdendo essa identidade de preservar a floresta, perdem sua própria identidade”, observa.

Foto da série "Perda de Identidade Cultural", apresentada no Perpignan OFF © Liza Moura

Em sua experiência com a tribo Waurá, no Alto Xingu, a fotógrafa registrou cenas que simbolizam os novos costumes que revelam um maior descuidado com o ambiente natural e seu entorno como o   consumo de plástico, a presença de fogão à gás dentro das ocas, e até motocicletas dentro de rios, poluindo uma importante fonte de alimento.

“A natureza está sendo degradada, eles estão perdendo essa identidade de defender a floresta. É complexo e resolvi mostrar que as pessoas devem ter consciência de que não podem deixar nos índios a vontade de querer ser como nós, homens brancos, como eles dizem”.   

Bisneta de índia, a mineira se interessou pelo tema ao buscar compreender melhor suas raízes e história. Ao visitar uma tribo, diz ter levado um “choque” e por isso, resolveu usar imagens para denunciar o processo de perda identidade de muitos indígenas.

“É alarmante, por isso essa minha vontade de mostrar ao mundo o que está acontecendo. Daí veio essa série”, acrescentou.

Apesar das cores associadas à exuberância da floresta amazônica, Liza Moura optou pelo preto e branco, linguagem habitualmente usada em outros projetos. “Mergulhei ainda mais no preto e branco porque permite focar ainda mais no assunto. Isto permite também mostrar que, se a floresta morrer, tudo ficará em preto e branco”, justifica.

"Água Suja", da fotógrafa Liza Moura. © Liza Moura

Atualidade deu mais visibilidade

A série “Perda de Identidade Cultural” foi apresentada na mostra Perpignan OFF no mesmo período da divulgação das notícias sobre  as queimadas e as consequências do desflorestamento na região amazônica. Liza constatou um maior interesse pelo seu trabalho devido a atualidade que resultou em polêmicas entre os governos da França e do Brasil.

“Deu muita visibilidade. No dia da vernissage, todo mundo que chegava perto de mim, dizia: É um absurdo o que está acontecendo no teu país. A floresta está pegando fogo e olhamos para estas fotos e vimos que há muita coisa além do fogo. Outros ainda diziam: é ainda mais triste ver (a exposição) agora. Além dos incêndios, ainda há esta questão da perda de identidade cultural dos indígenas. Uma coisa ajudou a outra para mostrar que é muito grave o que está acontecendo no Brasil”, diz.

Clique no link abaixo para ver a íntegra da entrevista em vídeo

 

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato

“Se não tomarmos cuidado, fotografo um mundo em extinção”, diz Sebastião Salgado em Frankfurt

Barbara Paz: Documentário premiado em Veneza é seu “filho-filme” com Babenco

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris