rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tunísia : Boca de urna aponta vitória do professor Kais Saied
RFI CONVIDA
rss itunes

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

Por Elcio Ramalho

A eleição de Jair Bolsonaro e a crise das queimadas na Amazônia consolidaram, no exterior, a sensação de que o Brasil não é mais o mesmo. Mas para a antropóloga e historiadora Lilia Moritz Schwarcz, a realidade é que o país nunca foi uma nação cordial como se apresentava: “o Brasil sempre foi autoritário; não é uma novidade”, afirma a autora de Sobre o Autoritarismo Brasileiro, em entrevista ao RFI Convida.

“Até muito pouco tempo, o Brasil gostava de se apresentar como um país cordial, uma democracia racial, um país pacífico, sem conflitos, dos trópicos, receptivo. Essa imagem mudou totalmente dentro e fora do país”, sublinha a historiadora, que assinala o impressionante acirramento dos ânimos no Brasil desde o início da crise, em 2013, mas especialmente depois de 2018.

Schwarcz analisa que a eleição de Jair Bolsonaro colocou em evidência elementos que sempre existiram no Brasil. “A intolerância religiosa foi a que mais cresceu, mas a intolerância racial, de gênero, de origem – com a briga nordeste-sudeste – e a intolerância de gerações também, como provaram os insultos à primeira-dama francesa”, afirma a premiada escritora. “São imagens que não nos orgulham – ao contrário. Mas o fato é que o Brasil vem mostrando esse tipo de imagem de si.”

Situação social é terreno fértil para populistas

Num país que apresenta alguns dos piores índices de desigualdades sociais e de violência do mundo, no qual a corrupção destrói a máquina pública e com uma sociedade que preserva aspectos coloniais e escravagistas, alega Schwarcz, governos populistas encontram terreno fértil para prosperar.

“São governos que têm tomado a forma de 'democraduras' ou que têm dado golpes de Estado liberais. Governos que pretensamente seguem a regra democrática, mas, na prática, tendem a pensar que democracia só se faz no momento da eleição”, nota a antropóloga, professora titular da USP e em Princetown, nos Estados Unidos.

Nos países nos quais ascenderam ao poder, esses governos populistas de direita aplicam fórmulas semelhantes: atacam as instituições, a imprensa, as universidades. Na sua área, a acadêmica, Schwarcz observa que as consequências dessa perseguição não poderiam ser mais claras, com os cortes de bolsas de pesquisa e de verbas das instituições de ensino superior.

“Os cortes pretendem tolher o presente para acabar com o futuro. Triste do país que exporta as suas mentes pensantes”, lamenta a escritora, em referência aos milhares de estudantes e pesquisadores que não estão mais conseguindo avançar nos estudos ou se inserir no mercado, e muitos dos quais optam por deixar o Brasil.

Para ouvir a entrevista completa, clique na foto acima

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras