rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Tunísia : Boca de urna aponta vitória do professor Kais Saied
RFI CONVIDA
rss itunes

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Por Márcia Bechara

De 25 a 29 de setembro, o cinema Les 7 Parnassiens, no 14º distrito de Paris, abrirá suas portas para comemorar os 15 anos do Festival Brésil en Mouvements, com uma programação intensa de filmes, debates e encontros com cineastas e personalidades do mundo político e intelectual brasileiro. RFI convida nesta terça-feira (24) Erika Campelo, co-presidente da associação Autres Brésils, à frente do evento desde seu início.

A edição 2019 do festival Brésil em Mouvements traz cinco dias de exibição de documentários inéditos e debates que contarão com presenças como as de Marinete da Silva, mãe de Marielle Franco; Nívea Raposo, membro da rede das famílias vítimas de violência da Baixada Fluminense, e a líder indígena Celia Xakriabá.

Desde o início do festival, a associação Autres Brésils desenvolve uma programação com foco na atualidade brasileira, em um esforço para valorizar o cinema documental. Este ano, o evento traz 18 filmes, entre curtas e longa-metragens, sendo 11 produções ainda inéditas na França, e três longas selecionados nos maiores festivais de cinema do mundo, como Berlinale, ACID-Cannes e o Festival de Films de Femmes de Créteil.

Este ano o evento se concentra em três eixos : violências policiais, povos autóctones da Amazônia e a identidade sexual e a violência de gênero. “A gente tenta responder à atualidade brasileira sobre estes três temas”, afirma Erika Campelo.

“A gente trabalhou numa programação muito rica, que reflete o que está acontecendo no Brasil hoje. É muito importante mostrar esta diversidade brasileira, esta riqueza do cinema documentário e o engajamento”, explica a diretora do festival.

Resistência

“O mundo hoje ainda está se perguntando como Bolsonaro e a extrema direita chegaram ao poder no Brasil. Para responder a esta pergunta, no domingo, último dia do festival, teremos a projeção de dois filmes que explicam o processo da chegada ao poder do Bolsonaro, que são os filmes ‘Dia de eleição’ e ‘Bloqueio’. Em seguida, teremos um debate sobre perspectiva política no Brasil”, disse.

Erika conta que, no debate sobre questões políticas haverá só mulheres como convidadas. “Porque a resistência hoje passa pelas mulheres no mundo e no Brasil. E temos grandes nomes: Marinete da Silva; a mãe de Marielle Franco, assassinada no ano passado; a Nívea Raposo, de uma associação da Baixada Fluminense de mães de filhos mortos pela polícia; a jurista Carol Proner e a representante da articulação dos povos indígenas, Celia Xakriabá”.

“O nosso festival e as manifestações que organizamos durante todo o ano tentam explicar a complexidade do Brasil”, completa Erika. 

Ainda na programação do Brésil em Mouvements, a exposição “Les Gardiens de l’Amazonie”, de Bulcão e o show da cantora Ana Guanabara, que revisita sambas-enredo de desfiles históricos do Carnaval do Rio.

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras