rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Astrofísica

Publicado em • Modificado em

Manuscrito da Teoria da Relatividade é exposto pela primeira vez

media
O cientista Albert Einstein, inventor da Teoria da Relatividade Foto: Divulgação

As 46 páginas da obra de Albert Einstein que revolucionou a física podem ser vistas pelo público na Academia de Ciências, em Jerusalém.


Nathalia Watkins

O manuscrito original de Albert Einstein, no qual ele explica a Teoria da Relatividade, está exposto pela primeira vez na Academia Israelense de Ciências, em Jerusalém. As 46 páginas escritas por Einstein provocaram uma revolução no meio científico e ajudaram esclarecer, por exemplo, a existência dos buracos negros e a teoria do Big Bang, de criação do universo.
Hanoch Gutfreund, cientista da Universidade Hebraica e membro do comitê dos Arquivos de Albert Einstein, explica que a obra mudou a compreensão sobre o espaço, o tempo e a gravidade. A obra completa está exposta em um quarto escuro com temperatura e umidade cuidadosamente controladas e dispostas, uma a uma, dentro de caixas de madeira e sob iluminação especial para preservar as folhas.
O trabalho foi escrito na residência de Einstein em Berlim, em 1916, e doado à Universidade Hebraica de Jerusalém na ocasião de sua inauguração em 1925. Os organizadores concordaram em expor a obra, cujo valor nao pôde ser avaliado, por um período de três semanas. O transporte da Biblioteca Nacional até a Universidade, foi sob forte esquema de segurança, em um carro blindado.

Nathalia Watkins, correspondente da RFI em Jerusalém 20/03/2010 Ouvir

Einstein, que nasceu em 1879, recebeu o prêmio nobel de Física em 1921, antes de trocar a Alemanha nazista pelos Estados Unidos. Em 1952, ele recusou uma oferta para tornar-se presidente de Israel, mas os manuscritos doados pelo cientista são fonte de renda da instituição em Jerusalém até hoje. Os arquivos de Einstein guardados na Universidade somam 55 mil itens, e vão desde correspondências com outros cientistas a cartas pessoais, além de fotografias, sons e outros manuscritos científicos.