rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Astrofísica

Publicado em • Modificado em

Acelerador de partículas gigante realiza colisão

media
Os computadores do Acelerador do Laboratório Europeu de Pesquisa Nuclear REUTERS/Christian Hartmann

O choque, segundo cientistas, é uma reprodução do Big Bang, que explicaria a origem do universo. A experiência realizada pela máquina do Laboratório Europeu de Pesquisa Nuclear pode confirmar ou mudar toda a teoria da Física sobre a estrutura da matéria.


Uma nova era começou para a ciência. Assim os cientistas reagiram à tão esperada colisão entre dois feixes carregados de 10 bilhões de prótons cada um no interior do túnel de 27 quilômetros construído no subsolo de uma área na fronteira entre a Suíça e a França.
Depois de duas tentativas frustradas, a terceira deu certo e às 13h06, horário local, foi registrado o choque que, segundo os cientistas, permite reproduzir o Big Bang, a explosão realizada a mais de 13 bilhões de anos e que teria dado início ao universo.

Quatro detectores gigantes captaram as colisões realizadas a uma velocidade superior a 99,99% à da luz e com uma potência jamais atingida, de 7 trilhões de eletrovolts.
Isso significa que a aceleração dos prótons equivale a 11 mil voltas por segundo dentro do Grande Colisor de Hádron, como foi batizado o megatúnel. Os responsáveis pelo CERN, o centro europeu de pesquisa nuclear, afirmaram que a experiência inédita vai permitir descobrir grandes enigmas da ciência, como a origem da massa e a presença da matéria escura no universo.

No mundo inteiro, físicos tinham a expectativa de encontrar o famoso Boson de Higgs, ou a partícula de Deus, a peça da estrutura fundamental da matéria que dá a massa a outras partículas. Mas os resultados não devem sair tão cedo já que os milhões de dados devem ser analisados por laboratórios parceiros do projeto espalhados pelo mundo.

Pedaço de pão provocou curto-circuito em 2009

O Cern, que custou 9 bilhões de dólares, foi inaugurado no dia 10 de setembro de 2008. Dez dias depois parou de funcionar, por conta de um vazamento de hélio entre dois imãs. Em 2009, um pedaço de pão, deixado provavelmente por um pássaro, caiu no transformador da máquina e provocou um curto-circuito. O incidente, entretanto, não provocou atrasos no cronograma da equipe.