rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

Estudo diz que trabalhar demais depois dos 40 faz mal para o cérebro

Por Gabriel Brust

Você já deve ter ouvido aquela máxima de que o cérebro, assim como o nosso corpo, precisa estar em constante exercício para ficar em forma. Manter-se em atividade seria bom para combater os desgastes cognitivos naturais que vem com a idade, certo? Não é bem assim, segundo um estudo realizado em Melbourne, na Austrália.

Médicos e cientistas aplicaram testes cognitivos em cerca de 6 mil pessoas e concluíram que trabalhar demais depois dos 40 anos pode fazer mais mal do que bem para o cérebro. O ideal, dizem eles, seria trabalhar não mais do que três dias por semana, para manter o cérebro na melhor forma possível.

Será então que o melhor mesmo, depois dos 40 anos, é desacelerar? “Uma droga pode te salvar e a mesma droga pode te matar. O que faz a diferença é a dosagem”, compara Ana Lúcia Chiappetta, fonoaudióloga e doutora em Neurociências da UNIFESP. “A meta e a cobrança são nefastos para todas as idades. Manter-se ativo do ponto de visto motor e cognitivo continua sendo benéfico, mas a maneira como você lida com essas atividades, pode ser benéfica ou maléfica”, explica.

A pesquisa australiana aplicou diferentes testes nos pacientes. Foram leituras em voz alta, memorização de listas e desafios de combinar cores e letras. A conclusão: pessoas que trabalham mais de 60 horas por semana tiveram desempenho pior do que aquelas que não faziam quase nada.

Ponto de equilíbrio

O Dr. Norberto Frota, coordenador o grupo científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia, diz que o estudo australiano confirma algo que já era percebido por seus pares. “O que a pesquisa mostra é a intensidade. É preciso ter um limite, a partir do qual a atividade passa a ser danosa. A ideia não é ficar sem fazer nada, é não sobrecarregar. A curva não é linear: chega um momento que eu acabo sobrecarregando meu sistema”, afirma Frota.

Em um momento em que a população mundial envelhece e quase todos os países começam a retardar a idade da aposentadoria, saber que não faz bem trabalhar demais com idade avançada não é lá uma boa notícia. Mas, mais importante do que trabalhar menos, dizem os especialistas, é trabalhar em atividades menos estressantes, como explica a Dra. Chiappetta: “Quando está sob pressão e ansioso, você libera cortisol e adrenalina, que provocam uma série de eventos em cascata, como excesso de açúcar e diminuição da melatonina, que corta o sono. São situações que degradam os seus neurônios.”

Experiências traumáticas em hospitais levam francesas a optar pelo parto humanizado em casa

Relatório americano inédito prova que ondas de celulares causam câncer em ratos

Europa vive epidemia de febre do Nilo Ocidental; vírus já chegou no Brasil

Vacina contra o HPV, que causa câncer do colo útero, é aprovada para mulheres até 45 anos

França: impacto das ferramentas digitais no cérebro desafia pesquisadores

Terapia inédita com robô na França ajuda jovens autistas a descobrirem o mundo

Perturbadores endócrinos afetam inteligência antes do nascimento, diz cientista

Infarto mata mais mulheres do que câncer de mama e uma das razões é o machismo

França: campanha com fotos sensuais divulga tratamento para evitar contaminação do HIV

Próteses "de luxo" customizadas ajudam pacientes com deficiência a viverem melhor

Jornada da Doença Celíaca na França alerta sobre intolerância grave ao glúten

Vinho: patrimônio cultural francês ou porta de entrada para o alcoolismo?