rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

Estudo diz que trabalhar demais depois dos 40 faz mal para o cérebro

Por Gabriel Brust

Você já deve ter ouvido aquela máxima de que o cérebro, assim como o nosso corpo, precisa estar em constante exercício para ficar em forma. Manter-se em atividade seria bom para combater os desgastes cognitivos naturais que vem com a idade, certo? Não é bem assim, segundo um estudo realizado em Melbourne, na Austrália.

Médicos e cientistas aplicaram testes cognitivos em cerca de 6 mil pessoas e concluíram que trabalhar demais depois dos 40 anos pode fazer mais mal do que bem para o cérebro. O ideal, dizem eles, seria trabalhar não mais do que três dias por semana, para manter o cérebro na melhor forma possível.

Será então que o melhor mesmo, depois dos 40 anos, é desacelerar? “Uma droga pode te salvar e a mesma droga pode te matar. O que faz a diferença é a dosagem”, compara Ana Lúcia Chiappetta, fonoaudióloga e doutora em Neurociências da UNIFESP. “A meta e a cobrança são nefastos para todas as idades. Manter-se ativo do ponto de visto motor e cognitivo continua sendo benéfico, mas a maneira como você lida com essas atividades, pode ser benéfica ou maléfica”, explica.

A pesquisa australiana aplicou diferentes testes nos pacientes. Foram leituras em voz alta, memorização de listas e desafios de combinar cores e letras. A conclusão: pessoas que trabalham mais de 60 horas por semana tiveram desempenho pior do que aquelas que não faziam quase nada.

Ponto de equilíbrio

O Dr. Norberto Frota, coordenador o grupo científico de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia, diz que o estudo australiano confirma algo que já era percebido por seus pares. “O que a pesquisa mostra é a intensidade. É preciso ter um limite, a partir do qual a atividade passa a ser danosa. A ideia não é ficar sem fazer nada, é não sobrecarregar. A curva não é linear: chega um momento que eu acabo sobrecarregando meu sistema”, afirma Frota.

Em um momento em que a população mundial envelhece e quase todos os países começam a retardar a idade da aposentadoria, saber que não faz bem trabalhar demais com idade avançada não é lá uma boa notícia. Mas, mais importante do que trabalhar menos, dizem os especialistas, é trabalhar em atividades menos estressantes, como explica a Dra. Chiappetta: “Quando está sob pressão e ansioso, você libera cortisol e adrenalina, que provocam uma série de eventos em cascata, como excesso de açúcar e diminuição da melatonina, que corta o sono. São situações que degradam os seus neurônios.”

Terapia inédita com robô na França ajuda jovens autistas a descobrirem o mundo

Perturbadores endócrinos afetam inteligência antes do nascimento, diz cientista

Infarto mata mais mulheres do que câncer de mama e uma das razões é o machismo

França: campanha com fotos sensuais divulga tratamento para evitar contaminação do HIV

Próteses "de luxo" customizadas ajudam pacientes com deficiência a viverem melhor

Jornada da Doença Celíaca na França alerta sobre intolerância grave ao glúten

Vinho: patrimônio cultural francês ou porta de entrada para o alcoolismo?

Uso inadequado de remédios provoca mais de 10 mil mortes por ano na França

Neurocientista francês explica mecanismos cerebrais da atenção e derruba mito do multitarefa

Falta de vacinação provocou epidemia de sarampo na França, diz infectologista

Pesquisadores franceses descobrem proteína que pode frear infecção da dengue

Com cerca de 18% de adultos obesos, França é campeã de cirurgia bariátrica na Europa

Brasileira ganha prêmio internacional com pele em 3D que substitui testes em animais

Cardiologista francês identifica proteína que pode provocar morte súbita

Células da glia vão revolucionar modelo do cérebro humano, diz neurologista francês