rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Ciência e Tecnologia
rss itunes

Testes de ancestralidade revelam origens e descobrem parentes pelo mundo

Por Daniella Franco

Imagine descobrir os povos primitivos do qual você é originário e a região de onde vieram seus mais longínquos ancestrais. Quem sabe até encontrar familiares espalhados pelo mundo.

A tendência vem sendo observada recentemente na Europa e nos Estados Unidos, onde laboratórios oferecem online diferentes tipos de testes de ancestralidade por algumas centenas de euros ou dólares. O princípio é simples, a demanda pode ser feita pela internet e a análise do DNA é realizada através de uma amostra de saliva, enviada pelo correio.

Os resultados podem ser surpreendentes ou apenas confirmar suas origens. O mais importante, diz a geneticista e antropóloga Joëlle Apter, do laboratório suíço iGENEA, é que os testes de ancestralidade respondem uma das perguntas que mais intriga as pessoas: de onde viemos? "É um desejo humano querer saber quais são nossas raízes. Além disso, o teste mostra, de uma maneira muito bonita, que somos todos uma mistura, que todos temos origens diversas", salienta.

No Brasil, o Grupo Genera é o único até o momento que realiza testes de ancestralidade, embora a análise do material seja feita nos Estados Unidos. O mercado ainda é novo, mas vem conquistando os brasileiros. "Aqui nas Américas, temos uma população com origens de diversos lugares do mundo. Por isso, pessoas em busca de suas raízes, para compreendê-las melhor, resolvem fazer esses exames. O interesse é descobrir sua própria história para entender melhor quem você é", explica o médico e diretor do Grupo Genera, Ricardo di Lazzaro Filho.

"Primos genéticos" pelo mundo

Além das origens, algumas empresas também oferecem uma comparação dos testes de ancestralidade, o que possibilita, por exemplo, encontrar parentes distantes - chamados de "primos genéticos" - ou até mesmo familiares próximos em outros países e continentes.

Joëlle Apter diz que a possibilidade rende descobertas familiares surpreendentes. "Temos um cliente francês, de cerca de 60 anos, que não sabia quem era seu pai. Ele fez o teste e na base de dados ele encontrou 'primos genéticos' que, na verdade, eram seus primos de primeiro grau. Ele os contatou e descobriu que tinha meio-irmãos nos Estados Unidos. O pai, infelizmente, já havia falecido, mas ao menos ele pôde encontrar irmãos e irmãs", conta.

O franco-brasileiro Mahle Robin realizou um teste de ancestralidade e também encontrou "familiares" espalhados pelo mundo. Ele fez a análise na empresa 23andMe com um grupo de colegas na Suécia, onde estuda mídias digitais. "Descobri vários primos de quarto ou quinto grau e entrei em contato com algumas pessoas na Lituânia e nos Estados Unidos para saber de onde vem essa ligação genética, se temos o mesmo sobrenome, etc."

Para Mahle, o que mais o surpreendeu nos resultados foi a revelação de suas origens indígenas. "O teste revelou o que eu já sabia, tenho raízes francesas e italianas. Mas fiquei muito feliz de contar com 1,6% de material genético de nativos americanos. Essa foi a informação que mais apreciei: saber que eu tenho origens verdadeiramente brasileiras, que data de antes da chegada dos colonizadores", comemora.

Como são construídos os algoritmos usados para manipular os eleitores?

Da sala de aula para o YouTube, canais científicos viram mania na França

Robô elabora treino para evitar contusões de craques da seleção francesa

Conheça o legista Philippe Charlier, o Indiana Jones francês que confirmou a morte de Hitler

França: start-up cria exoesqueleto inédito para paraplégicos voltarem a andar

Psiquiatra francês ensina a tratar ansiedade em livro com realidade virtual

Softwares de veículos autônomos provocam revolução no mercado automobilístico

Associações francesas alertam para riscos de nanomateriais para a saúde

Pesquisadores franceses criam sinapses artificiais que imitam cérebro humano

Associações francesas desenvolvem ferramentas digitais de inserção social