rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Alimentação Estudo OMS Saúde

Publicado em • Modificado em

Diminuir consumo mundial de sal traria ganho de milhões de anos de boa saúde, aponta estudo

media
O consumo de sal aumenta os riscos de hipertensão e de doenças cardiovasculares. CC-BY-SA 3.0

Diminuir em 10% o consumo de sal poderia salvar milhões de vidas, afirma um estudo publicado nesta quarta-feira (11) pela revista médica britânica The British Medical Journal. O sal aumenta os riscos de hipertensão e de doenças cardiovasculares.


Segundo a Organização Mundial da Saúde, a maioria dos adultos consome mais do que a quantidade recomendada de 2 gramas no máximo por dia. O excesso de sal, presente principalmente em alimentos industrializados, está na origem de cerca de 1,65 milhão de mortes provocadas por doenças cardíacas, de acordo com a OMS.

Poucos países até agora avaliaram o custo de estratégias públicas para tentar diminuir o consumo de sal. Pesquisadores, atuando juntamente com a indústria do setor alimentício, avaliaram o impacto de estratégias públicas de prevenção para 183 países. Eles concluíram que investir o equivalente a 10 centavos de dólar por pessoa, cerca de 32 centavos de real, contribuiria para frear a mortalidade.

Consumo saudável por dez anos traria resultado impressionante

Os cientistas também estimaram, baseados no índice de Esperença de Vida Corrigida pela Incapacidade (DALY, na sigla em inglês), o número de anos de saúde perdidos pela população mundial. Segundo o estudo, uma alimentação menos salgada durante um período 10 anos evitaria uma perda anual equivalente a 5,8 milhões de anos de boa saúde.

O custo dos anos ganhos seria equivalente ao que se gasta atualmente em remédios para tratamento de doenças cardiovasculares, apontam os pesquisadores.