rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Rajoy vai pedir ao Senado destituição de presidente da Catalunha
Meio Ambiente
rss itunes

Brasil pode perder áreas de conservação ambiental do tamanho de Portugal, alerta WWF

Por Augusto Pinheiro

Quase 80 mil km², o equivalente ao território de Portugal, de Unidades de Conservação (UCs) no Pará, no Amazonas e em Santa Catarina estão ameaçados, revelou nesta quarta-feira (17) relatório da ONG ambiental WWF Brasil. Trata-se de parques nacionais, reservas biológicas e florestas nacionais.

“O perigo vem de uma medida provisória, editada pelo governo federal, no final do ano passado, e que, ao chegar ao Congresso Nacional, sofreu pioras consideráveis. O governo federal havia previsto cerca de 300 mil hectares a menos de UCs no texto original da medida provisória. Esse texto, quando chegou à comissão mista do Congresso, piorou quatro vezes. Chegou a constar uma redução de mais de 1,2 milhão de áreas protegidas”, explica Michel de Souza, coordenador de políticas públicas da WWF Brasil em entrevista à RFI.

O texto aprovado na Câmara dos Deputados na noite da terça-feira (16), apesar de ter minimizado a perda em 50%, ainda é considerado um problema. "São aproximadamente 600 mil hectares de áreas protegidas brasileiras que ficarão abertas à especulação imobiliária, à grilagem de terra, à exploração mineral e a uma série de problemas que teremos a partir da aprovação final dessa medida provisória."

As áreas afetadas no texto aprovado pelos deputados ficam no oeste do Pará. A medida modifica os limites do Parque Nacional do Rio Novo e da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, deixando 37% da zona vulnerável.

Também reduz o Parque Nacional (Parna) de Jamanxim para abrir espaço às obras da ferrovia Ferrogrão, paralela à BR-163, ligando o Centro-Oeste ao norte do Pará, "colocando a Amazônia cada vez mais perto de seu definitivo esquartejamento", diz a WWF Brasil.

Anulação das áreas protegidas

O relatório da ONG também critica o projeto de lei 3751, em tramitação no Congresso, que torna caducos todos os atos de criação de UCs se os proprietários privados não forem indenizados em até 5 anos.

“Essa proposta visa enfraquecer o sistema nacional de UCs, obrigando que o estado brasileiro indenize proprietários que tenham alguma benfeitoria a ser reivindicada. É terrível, é um passo atrás. Imagine isso em um país que passa por uma fase de austeridade, com os estados com problemas financeiros. É uma crueldade com o meio ambiente”, afirma Michel.

Para demonstrar o impacto dessa medida, a ONG cita no relatório o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), que calculou em 56 mil km² a extensão de terras privadas ainda não indenizadas no interior de UCs federais. Porém o número poderia chegar a 100 mil km², segundo o próprio instituto.

“Caso aprovada, a proposta representaria o desaparecimento de aproximadamente 10% das áreas protegidas em UCs, que somavam, em agosto passado, 788 mil km² - ou seja, 10% do total de territórios protegidos", diz o texto.

O relatório da WWF Brasil cita que "as medidas que visam a redução de áreas protegidas fazem parte de uma grande ofensiva da bancada ruralista e do governo Temer, que pretende restringir direitos garantidos pela Constituição Federal e enfraquecer a legislação ambiental". "Para isso, foi criado um movimento de resistência contra esse pacote de retrocessos, que conta com o apoio de mais de 140 organizações e movimentos sociais: #RESISTA."

Mais desmatamento na Amazônia

O relatório aponta que o impacto nas áreas protegidas pode resultar em mais desmatamento da Amazônia, com prejuízo às metas brasileiras para a redução das emissões de gases de efeito estufa na Convenção do Clima das Nações Unidas, além de implicar no desmonte do Programa Áreas Protegidas da Amazônia (Arpa) e ameaçar os compromissos assumidos pelo país na Convenção da Diversidade Biológica (CDB).

“O Brasil se comprometeu com uma série de acordos internacionais, como o de Paris, que prevê a proteção do bioma, manutenção das áreas protegidas e restauração de 12 milhões de hectares de floresta. Já a meta da CDB estipula percentuais mínimos de UCs por bioma”, afirma o coordenador.

Para Michel, a aprovação de leis que reduzem as áreas de proteção ou que mudem a sua categoria, “sinaliza e permite que aqueles que invadiram unidades já consolidadas, que desmataram em áreas que não são permitidas, continuem impunes”. “Deixaremos de ter o escudo natural, que impede o desmatamento.”

No final da década passada, o sistema nacional de UCs colocou o Brasil na posição de líder mundial em extensão de áreas protegidas. “Atualmente estamos testemunhando um retrocesso. O Arpa era reconhecido mundialmente como exemplo de conservação ambiental. Sem dúvida, a situação atual é muito preocupante.”

A WWF Brasil pretende pressionar o Senado para tentar minimizar os danos. “Vamos resistir, escalar uma iniciativa junto aso senadores. Vamos levar isso até a solicitação do veto do presidente. Em último caso, entraremos com processos na Justiça.”

Europa teme entrada de “salmonstro”, o salmão transgênico canadense

Supermercados da França geram polêmica com abuso no preço de orgânicos

Dependente de energia nuclear, França cogita desligar um terço de seus reatores

Primeiro partido de defesa dos animais estreia em eleições legislativas na França

Triagem incorreta do lixo é motivo de briga em boa parte dos casais franceses

Crise política no Brasil contribui para desmatamento desenfreado na Amazônia

Falta de engajamento no programa ambiental de Macron desagrada Ongs francesas

Peter Wohlleben: autor de best-seller diz à RFI que "as árvores têm emoções"