rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

Brasil é campeão em cirurgia plástica de vagina

Por Patricia Moribe

Que o Brasil gosta de cirurgias plásticas, isso não é novidade. Foram mais de 2 milhões e meio de intervenções em 2016, segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps). Mas a nova tendência no mundo da plástica é a operação feminina íntima, a chamada labioplastia ou ninfoplastia. E o Brasil lidera o ranking mundial, segundo a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (Isaps, na sigla em inglês)

Em 2016, foram quase 13 mil intervenções nas partes íntimas femininas só no Brasil, um aumento de 39% em relação ao ano anterior. Esse foi um dos destaques do relatório da sociedade internacional, que faz o levantamento através de questionários enviados a cerca de 35 mil cirurgiões plásticos no mundo.

Mas o que é a labioplasia? O dr. Henrique Arantes, cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, explica:

“Há duas formas de cirurgia. Existem pacientes com uma hipertrofia, ou seja, um aumento do tamanho dos pequenos lábios vaginais. Aí, faz-se uma cirurgia de redução para que fiquem menos expostos. Essa exposição pode gerar não só uma alteração estética, como se torna desconfortável para o uso de roupas intimas, na academia e até roupas de banho na praia, como também pode ter dor na relação sexual. Essa exposição também pode reduzir a proteção vaginal e a paciente ter uma maior incidência de candidíase, que são doenças causadas por fungos, que se desenvolvem quando há uma alteração do PH, ou da hidratação adequada da região. Há também o tratamento para os grandes lábios da vagina. Com o passar do tempo, com o envelhecimento, eles reduzem de volume e ficam com o aspecto murcho. Existe o procedimento, então, em que o volume é enxertado através de gordura ou até de ácidos hialurônicos, que funcionam como preenchedores”.

A psicóloga e sexóloga Priscila Junqueira fala sobre a importância da consciência do paciente a respeito do procedimento:

“Qualquer cirurgia dentro do campo da sexologia e da psicologia, percebemos que traz uma satisfação para a pessoa, desde o ponto de vista da autoestima. Existe uma questão de melhorar o prazer e a forma de encarar o seu corpo no sentido de favorecer uma relação sexual mais satisfatória. Mas o grande risco é o de a pessoa fazer essa operação só pela ilusão de uma imagem perfeita. Até tentam impor padrões, como tudo na nossa vida, algo que é uma ilusão, é imaginário. Cada padrão é de acordo com si próprio, cada mulher vai descobrindo o que é bom para ela. Em relação ao órgão sexual é passada a imagem de que a mulher vai ser mais desejada se tiver os grandes lábios ou os pequenos lábios de determinado tamanho, forma. E não é por aí. Primeiro a gente tenta identificar qual o significado que aquele órgão tem para a pessoa. Dessa forma a pessoa entra em contato com características da sua própria personalidade. Esse autoconhecimento é a grande base para tudo na nossa vida. Meu papel é ajudá-lo a pensar no significado que aquilo vai ter para ele e fazer ele entender que isso vai ter consequências, boas ou ruins, como tudo na vida”.

A seguir, o dr. Henrique Arantes fala sobre novas técnicas e cirurgias:

"Hoje temos como técnicas novas o uso de laser, de aparelhos com radiofrequência, ou ultrassom, que permitem o tratamento da região, sem a necessidade de cortes, ou de cirurgias mais invasivas. Acho que essa foi a grande evolução tecnológica na área. A segunda foi a melhora da qualidade do enxerto de gordura. Hoje a gente consegue retirar a gordura, tratá-la e reaproveitá-la de forma muito melhor. Isso promove então uma grande integração dessa gordura e uma melhora da qualidade do enxerto. Há também a lipoaspiração para redução do monte de Vênus, quando ele é muito volumoso. Ou cirurgias em que podemos fazer tratamento da musculatura da região perineal para aumentar a tonicidade muscular dessa região, principalmente para pacientes que já tiveram gestações com partos normais. E em casos extremos, cirurgias de reconstrução do hímen, principalmente em mulheres que sofreram abusos e querem fazer essa reconstrução”.

A Isaps constatou um aumento de 45% no número de cirurgias femininas íntimas de 2015 para 2016. O aumento de seios continua sendo a cirurgia plástica mais realizada (15,8%) entre as 2,5 milhões de procedimentos, seguida da lipoaspiração (14%) e da cirurgia de pálpebra (12,9%). As mulheres são as pacientes mais frequentes para cirurgias plásticas (86,2%) do que os homens.

 

Brasil: apesar de lobby da indústria, nutricionistas lutam para promover alimentação adequada

Pesquisadores descobrem nova combinação de anticorpos que pode prevenir contaminação do HIV

Movimento contra uso da pílula cresce na França, revela jornalista em livro

Nova fórmula de remédio para tireoide causa problemas para milhares de pessoas na França

Desreguladores endócrinos: um perigo presente nos produtos do dia a dia

Exame de sangue para detectar Síndrome de Down chega aos hospitais públicos franceses

Conheça o "burn out parental", distúrbio que vem sendo detectado em pais e mães