rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Stephen Hawking

Publicado em • Modificado em

Enviada ao espaço mensagem de voz do astrofísico britânico Stephen Hawking

media
Stephen Hawking durante palestra na Cidade do Cabo, em maio de 2008. REUTERS/Mike Hutchings

Uma mensagem do astrofísico britânico Stephen Hawking foi transmitida para o buraco negro mais próximo da Terra durante o enterro de suas cinzas, nesta sexta-feira (15), na Abadia de Westminster, em Londres, junto ao túmulo de Isaac Newton.


A mensagem - com sua conhecida voz sintetizada e especialmente escrita para a ocasião - foi enviada pela Agência Espacial Europeia.

"É um gesto bonito e simbólico que cria um vínculo entre a presença do nosso pai neste planeta, seu desejo de ir ao espaço e a exploração do universo em sua mente", disse sua filha Lucy Hawking.

O cientista, que dedicou sua vida a desvendar os mistérios do universo e lutou para vencer as deficiências, foi enterrado ao lado de outros dois grandes cientistas: Isaac Newton e Charles Darwin.

Uma longa história no tempo

Stephen Hawking desafiou as previsões dos médicos que, em 1964, afirmaram que ele teria poucos anos de vida após o diagnóstico de uma forma atípica de esclerose lateral amiotrófica (ELA), uma doença que ataca os neurônios motores responsáveis por controlar os movimentos voluntários e que o condenou durante décadas a uma cadeira de rodas.

A mensagem de Hawking foi enviada "ao buraco negro mais próximo, o 1A 0620-00, em um sistema binário com uma estrela anã laranja bastante ordinária", revelou a filha de Hawking. O sistema está a 3.500 anos-luz da Terra, o tempo que levará para chegar a mensagem.

"É uma mensagem de paz e esperança, sobre a unidade e a necessidade de vivermos juntos e em harmonia neste planeta".

Homenagens

O cientista, que ganhou fama mundial com o livro de 1988 "Uma breve história do tempo", um sucesso inesperado de vendas, conquistou admiradores muito além do complicado mundo da astrofísica. Ele morreu no dia 14 de março, aos 76 anos.

Sua morte rendeu uma série de homenagens, da rainha Elizabeth II à Nasa, que demonstraram o impacto de Hawking como cientista, mas também como farol de esperança para as pessoas afetadas por enfermidades degenerativas.