rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Saúde
rss itunes

Infarto mata mais mulheres do que câncer de mama e uma das razões é o machismo

Por Taíssa Stivanin

O infarto é a primeira causa de mortalidade de mulheres no mundo. Durante muito tempo, os cientistas acreditaram, entretanto, que os hormônios protegiam as pacientes mais jovens, que ainda não tinham entrado na menopausa. Segundo a SFC (Sociedade Francesa de Cardiologia, em tradução livre), estudos mais recentes mostraram que o número de vítimas abaixo dos 50 anos era bem maior do que se imaginava – cerca de 25% do total de ataques.

O infarto mata hoje mais mulheres do que o câncer de mama. As pacientes têm sintomas diferentes dos homens e, numa idade em que normalmente estão ocupadas com o trabalho e a rotina da família, minimizam os sinais: indigestão, dificuldades para respirar, cansaço e fraqueza. Quando se dão conta da gravidade do problema, pode ser tarde demais. O que em parte explica que a taxa de mortalidade seja também bem maior entre as mulheres.

A rapidez no atendimento é crucial, diz a especialista francesa Martine Gilard, presidente da Sociedade Francesa de Cardiologia, um dos organismos na França que pesquisa o problema. “Se desobstruímos a artéria coronária rapidamente, a parte do músculo destruída será pequena. Se a intervenção é tardia, o músculo será mais afetado. Por isso o infarto é uma emergência”, explica. O pronto-atendimento vai limitar o número de células cardíacas afetadas e diminuir as sequelas.

A prevenção do infarto nas mulheres também é uma questão cultural. Em um mundo dominado pelos homens, as queixas femininas são levadas menos a sério, diz a cardiologista. “Tem que educar a população. Dizer: fique alerta! Se sua mulher reclamar de dor no peito, pode ser um infarto. E não responder: “não é nada, vai deitar um pouco, você esta estressada”, exemplifica.

A sobrecarga mental e doméstica também aumenta o risco de um novo ataque nas mulheres, ressalta. Isso porque as pacientes ativas que sofreram um infarto, numa proporção bem maior do que os homens, diz a especialista, não fazem a reeducação de maneira correta.

“A mulher, quando é jovem, tem seus filhos, tem sua vida de família. E comum ela vai se recusar a ir no centro de reeducação, porque, além do trabalho, tem sua segunda vida: cuidar da faxina, das crianças e da família. Percebemos que os homens fazem a reeducação, mas as mulheres, com frequência, não. Consequentemente, elas têm menos acompanhamento e podem enfartar novamente”, diz a cardiologista.

Os riscos, como a maioria das pessoas sabe, inclui sobrepeso, tabagismo, hereditariedade, falta de atividade física e stress. Uma junção de fatores que pode ser fatal se as mulheres ainda incluem nesse pacote os anticoncepcionais. Principalmente aqueles que contêm estrogênio e favorecem a trombose – formação de coágulos na corrente sanguínea.

Stress pode provocar infarto sem outros fatores de risco

O stress isoladamente também pode provocar um infarto, explica a médica francesa, mas este tipo incidente é bem mais raro e corresponde a apenas 1% dos casos – que atingem principalmente mulheres.

Em geral, não há destruição das células coronárias, que voltam ao normal depois de sofrer um “colapso” temporário. Mas esse tipo de ataque também necessita cuidados imediatos, porque também pode matar, sublinha a cardiologista francesa.

A gerente de joalheria paulistana Ligia Folco levou um susto quando, em 2010, aos 42 anos, teve um ataque do coração. Na época, ela estava em boa forma, tinha uma alimentação regrada, corria diariamente e não tinha fatores de risco, mas levava uma vida profissional corrida.

O infarto, acreditam seus médicos, foi causado pelo stress. Ela estava em casa e começou a sentir uma indigestão, acompanhada de uma estranha sensação no peito. “Era como se uma pata de elefante estivesse em cima de mim”, descreve. Passou a noite sem conseguir dormir e no dia seguinte sentiu fraqueza nos membros. “Percebi que alguma coisa estava errada e pedi à minha mãe que me levasse ao hospital”. Era um infarto.

Depois de três dias na UTI e um cateterismo, Ligia ficou sem sequelas e leva uma vida normal. Mas mudou a maneira de encarar a rotina. “Fiquei bem assustada”, diz. “Comecei a dar valor para as coisas que realmente têm valor. Às vezes a gente se desgasta com bobagens. Aprendi a respirar mais e olhar as coisas com mais calma”, diz. “Era muito agitada. Quando eu trabalho, fico muito envolvida e a mil por hora”, descreve.

A Fundação Coeur et Recherche (Coração e Pesquisa) está financiando um projeto de pesquisa para entender a progressão deste tipo de infarto em jovens mulheres.

 

França: impacto das ferramentas digitais no cérebro desafia pesquisadores

Terapia inédita com robô na França ajuda jovens autistas a descobrirem o mundo

Perturbadores endócrinos afetam inteligência antes do nascimento, diz cientista

França: campanha com fotos sensuais divulga tratamento para evitar contaminação do HIV

Próteses "de luxo" customizadas ajudam pacientes com deficiência a viverem melhor

Jornada da Doença Celíaca na França alerta sobre intolerância grave ao glúten

Vinho: patrimônio cultural francês ou porta de entrada para o alcoolismo?

Uso inadequado de remédios provoca mais de 10 mil mortes por ano na França

Neurocientista francês explica mecanismos cerebrais da atenção e derruba mito do multitarefa

Falta de vacinação provocou epidemia de sarampo na França, diz infectologista

Pesquisadores franceses descobrem proteína que pode frear infecção da dengue

Com cerca de 18% de adultos obesos, França é campeã de cirurgia bariátrica na Europa

Brasileira ganha prêmio internacional com pele em 3D que substitui testes em animais

Cardiologista francês identifica proteína que pode provocar morte súbita