rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

França Ciência Câncer

Publicado em • Modificado em

França celebra sucesso de novo tratamento contra câncer do sangue

media
Representação de células cancerígenas. © iStockphoto

A comunidade científica francesa comemora os resultados positivos obtidos nos últimos meses com um novo protocolo para lutar contra diferentes tipos de câncer do sangue. O tratamento começa a ser testado em dois hospitais parisienses.


A proeza foi possível graças ao bom desempenho da terapia CAR-T cells (receptores quiméricos de antígeno), um dispositivo que consiste em modificar em laboratório os linfócitos T (grupo de glóbulos brancos), munindo-os de receptores capazes de reconhecer as células doentes e atacá-las quando reinseridos no organismo. O princípio já era conhecido. No entanto, os métodos usados até agora não surtiam efeito em alguns dos 137 tipos de câncer do sangue, como leucemias agudas e linfomas.

Os novos testes foram feitos com CAR-T produzidos nos Estados Unidos e aplicados em pacientes na França. Cerca de 30 pessoas foram submetidas ao protocolo no país, e os médicos registraram uma taxa de remissão em 80% dos casos, contra 15% nos tratamentos convencionais. Além disso, graças ao CAR-T, tumores foram erradicados em pacientes cuja esperança da vida era de menos de seis meses. Alguns cientistas já falam dos resultados como sendo a “descoberta do ano”.

Diante das conclusões promissoras, a Agência francesa de segurança dos medicamentos (ANSM na sigla em francês) decidiu ampliar o dispositivo e autorizou que dois laboratórios (Gilead-Kite e Novartis) desenvolvam temporariamente a terapia. Além disso, dois hospitais parisienses (Saint-Louis e Debré) poderão aplicar o tratamento nessa primeira fase.

A imprensa francesa desta sexta-feira (10) traz o testemunho de Clément, um jovem de 19 anos vítima de leucemia. Após ser submetido ao tratamento convencional com quimioterapias, que não apresentava resultados positivos, o paciente testou o novo protocolo, com CAR-T. A terapia mostrou sua eficácia em apenas três meses.