rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Não há risco de epidemia de malária vinda da Venezuela, mas de sarampo sim

Por Márcia Bechara

A notícia do aumento de casos de malária em vários países do mundo preocupa cada vez mais as autoridades. Regiões da África são as mais afetadas, mas países como a Venezuela, que enfrenta uma crise marcada pelo êxodo em massa da população, também são acompanhados com atenção. Mas será que o Brasil, que tem recebido cada vez mais refugiados venezuelanos, deve temer o risco de uma epidemia?

Há meses a Organização Mundial de Saúde vem alertando para o aumento de casos de malária na Venezuela. A doença, que retrocede em boa parte do mundo, com exceção do continente africano, vem ganhando proporções epidêmicas no país latino-americano.

No entanto, segundo o médico especialista em malária Antonio Carlos Bandeira, membro da Sociedade brasileira de infectologia, o Brasil não deve se preocupar com o impacto dessa recrudescência em seu território, apesar de aumento de fluxo migratório proveniente do território venezuelano.

“Claro que na Venezuela estamos assistindo uma crise social, de saúde e institucional, e isso piora mais o panorama na região por questões de deficiência no diagnóstico e no próprio tratamento”, avalia o médico. Porém, ele lembra que a situação é bem diferente no Brasil, que vem assistindo a uma queda progressiva dos casos de malária nos últimos anos.

“A situação no Brasil ainda é um grande problema de saúde pública na região amazônica”, explica o infectologista. No entanto, pondera, a situação está sendo controlada. “Já chegamos a 600 mil casos de malária em 2005, e esse número vem caindo progressivamente. No ano de 2018 chegamos a aproximadamente 180 mil casos, e a meta do ministério da Saúde do Brasil é reduzir isso para menos de 100 mil casos anuais”, relata.

“O que preocupa muito mais com relação à Venezuela são doenças que, a princípio, estavam controladas no Brasil, com é o caso do sarampo”, alerta o médico. “O Brasil é um país que estava praticamente livre do sarampo há muito tempo. Mas houve um influxo gigantesco de venezuelanos com a doença e isso acabou gerando processos epidêmicos e de disseminação na região norte”.

Ouça a entrevista na íntegra clicando na foto acima.

Hong Kong: Impacto internacional limita riscos de novo massacre pela China, diz professor

Brasileiro propõe Notre-Dame com cobertura leve em vitrais: “Risco estrutural é real”

“Somos seres humanos como Bolsonaro”, diz índio brasileiro no Festival de Locarno

“Países que praticaram políticas de privatização do ensino nunca chegaram a esse nível”, diz professora da Unirio, que participa do protesto pela educação no Brasil

Após turnê europeia, cantor Dienis retorna ao Brasil com “Lua Cheia”

Filme de brasileira concorre a prêmio no Festival de Locarno tocando em feridas abertas da colonização amazônica

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Brasil vive "tentativa de imbecilização coletiva”, diz filósofo português

Arles: festival de fotografia mostra trabalho de Pedro Kuperman e indígenas Ashaninka, do Acre

“Aliança militar com EUA é coerente com projeto de submissão do Brasil”, diz pesquisador da UNESP

Ao dar "bolo" em chanceler francês, Bolsonaro mostra que não tem postura de presidente, analisa cientista político

“O sistema judiciário se tornou espaço de disputas políticas”, diz juiz Rubens Casara

Discurso de governo para explorar terras indígenas legitima invasões, alerta organização indigenista

“A sociedade diz todos os dias como uma mulher negra tem que se comportar”, afirma cantora Tássia Reis, em turnê na Europa

Demônios da Garoa se apresenta pela primeira vez na Europa em festival que homenageia São Paulo

“Workaholic”, Balzac tinha a pulsão de retratar a França do século 19, diz pesquisadora

“Foi o jornalismo que me preparou para a música”, diz a cantora Letícia Maura