rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Paulo Artaxo: limitar aquecimento global a 2°C é “praticamente impossível”

Por Lúcia Müzell

Como fazer para alimentar uma população cada vez maior sem destruir o planeta, a começar pelas terras nas quais os alimentos são cultivados? Essa foi a questão debatida por especialistas do mundo inteiro e cujas conclusões foram publicadas nesta quinta-feira (8), em Genebra, pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). O físico da USP Paulo Artaxo, um dos cientistas mais respeitados do Brasil, fez parte do estudo.

Por telefone, ele comentou que, no modelo atual de exploração excessiva dos solos, a humanidade não vai conseguir produzir alimentos suficientes para a população de 10 bilhões de pessoas que habitarão o mundo em 2050. “Temos que cuidar melhor do que temos de mais precioso, a nossa terra, de onde a gente tira praticamente todos os nossos alimentos. A degradação do solo, os processos de desertificação e a perda acelerada de carbono do solo podem trazer danos muito grandes para a nossa estrutura socioeconômica, e comprometer a nossa capacidade de produção de alimentos ao longo das próximas décadas”, afirma o cientista, em entrevista à RFI.  

Para lidar com o problema, o relatório do IPCC enumera quatro emergências para os governos e sociedades: reduzir o desmatamento de florestas tropicais, incentivar o reflorestamento e aumentar a produção de alimentos e de biocombustíveis de um modo mais sustentável. “É um desafio. Nós precisamos reduzir as emissões, mas os setores de queima de combustível fóssil e o agronegócio estão andando na direção contrária e olhando só para os próprios interesses”, indica Artaxo.

Objetivo do Acordo de Paris está distante

Hoje, com as emissões aumentando 2,4% ao ano, segundo o IPCC, o objetivo de limitar o aquecimento do planeta em 1,5°C até 2100 – em relação à era pré-industrial - fica cada vez mais distante. A meta foi estabelecida no Acordo de Paris sobre o Clima, em 2015 – mas, para ser cumprida, seria necessária uma redução anual dos gases de efeito estufa em 5%.

“Não há qualquer cientista do IPCC que coloque que poderemos limitar o aquecimento em 2°C. Na atual taxa de emissões, essa tarefa é praticamente impossível”, constata o especialista, explicando que, na trajetória em curso, a elevação da temperatura ficará entre 3° e 4°C no fim do século.

Até leigos constatam aquecimento global

Perguntado se os recentes questionamentos das mudanças climáticas por governos importantes como dos Estados Unidos e do Brasil dificultam essa missão, o físico ressaltou que, na ciência, essas dúvidas não existem. “E qualquer cidadão, mesmo sem ser cientista, observa facilmente que o clima do planeta está mudando. A questão é não deixar que interesses econômicos específicos, como a indústria do petróleo ou do agronegócio brasileiro, predominem sobre os interesses da população em geral”, ressalta o pesquisador da USP.

Ele afirma que os recentes números sobre o aumento do desmatamento do Brasil não foram um tema da reunião do Painel do Clima – pelo menos, não oficialmente. “O IPCC não lida com questões políticas internas de cada país: lida com a questão científica global”, frisa.

Para ouvir a entrevista completa, clique na foto acima.

Conferência Internacional [SSEX BBOX] em Paris tem Jean Wyllys e Lea T na programação

Ao canonizar irmã Dulce, papa Francisco promove humanismo, diz biógrafo da religiosa brasileira

Brasil vendia imagem de país cordial, mas sempre foi autoritário, diz Lilia Schwarcz

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

“Sucesso do cinema brasileiro não é acidente, foi plantado há vários anos”, diz Karim Ainouz

Da janela de um arranha-céu de Porto Alegre, Rodrigo John filma a “virada histórica” do Brasil de 2013 a 2018

“Desmonte da cultura é um verdadeiro pesadelo no Brasil” diz Julio Bressane, homenageado no Festival de Biarritz

“Surto de desmatamento na Amazônia se explica pela chegada do governo Bolsonaro”, diz cientista do INPA

Documentário sobre greve de caminhoneiros no Brasil é exibido em Paris

"Jacques Chirac vai ser lembrado como um bon vivant", diz escritor Gilles Lapouge

Violência no Brasil é fruto do aparato repressivo herdado da ditadura, diz filósofo Edson Teles

Festival 'Brésil en Mouvements' celebra 15 anos com 11 filmes inéditos e participação da família de Marielle Franco

Pesquisadores formam rede para divulgar acervos estrangeiros sobre cultura brasileira

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”