rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

"Descoberta mudou a física e a astronomia”, diz cientista brasileiro que pesquisou com novo Nobel

Por Lúcia Müzell

Os vencedores do prêmio Nobel de Física foram anunciados nesta terça-feira (8): os suíços Michel Mayor e Didier Queloz e o canadense-americano James Peebles foram recompensados pelas pesquisas em cosmologia. E quem também festejou foi o astrônomo e professor de Astrofísica José Dias do Nascimento, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) – ele tem trabalhos em parceria com Mayor, um dos agraciados.

“O meu primeiro artigo do mestrado foi com ele, sobre lítio, rotação e atividade das estrelas subgigantes, entre elas a 51 peg, que ele estuda”, conta o cientista, que também é pesquisador convidado do Harvard-Smithsonian Observatory.

Os pesquisadores suíços descobriram, em 1995, o primeiro exoplaneta que orbita estrelas do tipo solar. Para Dias Nascimento, a recompensa com o Nobel era apenas uma questão de tempo, já que o estudo “mudou a física e a astronomia” tais quais conhecemos hoje.

“Eles trouxeram a compreensão de que planetas parecidos com a Terra são raros e sua presença é difícil de ser medida. Estamos descrevendo a história da astronomia em termos de como os planetas nascem e evoluem”, explica o professor da UFRN. “Os exoplanetas e pequenos corpos estão envolvidos na composição do universo próximo. Esses pesquisadores contribuíram para uma mudança desse olhar sobre o universo próximo, e isso é algo extremamente importante.”

Cada vez mais descobertas

Nos anos seguintes à descoberta, relembra, os cientistas se debruçaram para confirmar a existência dos exoplanetas e compreendê-los melhor. Foram lançadas missões espaciais específicas para esse objetivo, como a com o telescópio Kepler e, mais recentemente, com o satélite TESS, que está no espaço desde abril de 2018.

“Hoje, podemos dizer que todas as estrelas que vemos no céu à noite possivelmente têm um planeta. Entender por que algumas formam planetas maiores ou menores, alguns são gasosos longínquos, outros gasosos próximos da estrela, é algo que está sendo escrito agora”, frisa o cientista brasileiro, que se doutorou na universidade francesa de Toulouse. “Essa área é extremamente dinâmica: vários planetas foram descobertos só neste ano e tivemos a comprovação da presença de água na atmosfera de um planeta, o K2-18b.”

Para ouvir a entrevista completa, clique na foto acima.

Governo ataca liberdade de expressão no Brasil e o povo não se dá conta, diz Leandro Demori, do Intercept

Fotógrafo brasileiro apresenta série sobre os desafios do Cerrado em Paris

Museu Internacional da Mulher será inaugurado em Portugal com curadora brasileira

Comitiva de indígenas brasileiros na Europa reforça campanha contra acordo UE-Mercosul

"Quero viver de arte", diz jovem pintora maranhense que expôs na França

Claudia Jaguaribe lança livros de fotografia sobre mulheres e meio ambiente em Paris

“Atualidade política e social do Brasil me inspirou”, diz Flávia Coelho sobre disco DNA

“Leiam escritores brasileiros vivos!”, pede Fred Di Giacomo, finalista do Prêmio SP de Literatura

Mestre da Arte Óptica, Marcos Marin expõe em Paris obras de Neymar e Santos Dumont

Curador expõe fotógrafos brasileiros da nova coleção da Biblioteca Nacional da França em "Terra Brasilis"

Palcos europeus recebem pela primeira vez a música-poesia de Arthur Nogueira

Revelação do violão brasileiro, João Camarero leva sofisticação do choro a plateias europeias

Do interior do Amazonas a digital influencer premiada em Mônaco: a história de Cacau Sitruk

Duo franco-brasileiro lança disco que mistura “Trem das Onze” e Erik Satie

“Meu trabalho é pela pacificação”, diz pintora brasileira que expõe em Paris

Luiza Brunet diz que “toda mulher é feminista”: “apanhar aos 50 foi gota d’água”

Feira de Frankfurt: “Brasil é o país das impossibilidades”, diz Luiz Ruffato