rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Balé da Opera de Paris apresenta criação de futuro diretor

Por Patricia Moribe

A música é de um dos compositores franceses mais importantes da música clássica: Maurice Ravel. A cenografia é do francês Daniel Buren, um dos artistas plásticos mais conceituados do momento. A coreografia é de Benjamin Millepied, francês que fez carreira no New York City Ballet e que em outubro assume a direção de dança do balé da Opera de Paris. O espetáculo, com esses ingredientes, é “Daphnis et Chloé”, em cartaz na Opera da Bastilla, em Paris.

A encomenda para a coreografia foi feita bem antes da indicação de Millepied para liderar a companhia de dança. A nomeação, em janeiro, provocou algumas reticências, principalmente em relação à carreira do artista, construída praticamente nos Estados Unidos, para onde Millepied foi aos 16 anos e se tornou um dos solistas do New York City Ballet.

Mas as críticas incensaram Millepied e o público exigente aplaude com entusiasmo o balé do futuro diretor da companhia. O fato de Millepied ser casado com uma atriz hollywoodiana – Nathalie Portman – virou apenas um detalhe. Eles se conheceram durante as filmagens de “Cisne Negro”, coreografado pelo francês.

Romance pastoral grego

Poucas vezes encenado, “Daphnis et Chloé” conta a história de amor pastoral, passeada em um romance grego do século 2. A música foi encomendada a Ravel por Sergei Diaghilev para os Balés Russos e estreou no Teatro do Chatelet, em Paris, em 1912. Nessa produção, com coreografia de Michel Fokine, o mítico bailarino russo Nijinski foi Daphnis. Na versão parisiense, Aurélie Dupont é Chloé e Hervé Moreau é o pastor Daphnis.

A leveza e a sensualidade da coreografia de Millepied se fundem na cenografia geométrica e de cromoterapia de Daniel Buren, que não dispensa as listras verticais negras, uma espécie de marca registrada do artista. Em Paris, Buren é o autor da instalação permanente de colunas de varias alturas no Palais Royal, do lado da Comédia Francesa. A orquestra da Opera de Paris é conduzida por Philippe Jordan.

Criador e criatura

O balé de Millepied vem na segunda parte, após “O Palácio de Cristal”, primeira criação de George Balanchine para o balé da Opera de Paris, de 1947. A coreografia original com musica de Bizet ganha literalmente cores com os tutus cintilantes do estilista Christian Lacroix. Balanchine foi o fundador do New York City Ballet, companhia da qual Millepied foi solista de 1995 a 2011.
 

Polêmica sobre apropriação cultural marca nova criação do Théâtre du Soleil

De Tutancâmon à Lua, temporada das artes em Paris revisita civilizações em 2019

Tradição natalina em Paris, vitrines de lojas de luxo continuam a encantar

Artista espanhola traz mostra com fotos sobre falta de acesso ao aborto legal no mundo

Em Paris, o artista travesti Grayson Perry discute a sexualidade através de obras de arte

Mostra na Fundação Cartier de Paris recria diálogos inesperados entre geometrias latino-americanas

Artista mais caro do mundo, Basquiat é destaque de mega retrospectiva em Paris

Festival de Outono de Paris traz grandes nomes da cena contemporânea em 70 espetáculos

Cidade Fértil: Paris ganha gigantesco espaço cultural, alternativo e futurista