rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Balé da Opera de Paris apresenta criação de futuro diretor

Por Patricia Moribe

A música é de um dos compositores franceses mais importantes da música clássica: Maurice Ravel. A cenografia é do francês Daniel Buren, um dos artistas plásticos mais conceituados do momento. A coreografia é de Benjamin Millepied, francês que fez carreira no New York City Ballet e que em outubro assume a direção de dança do balé da Opera de Paris. O espetáculo, com esses ingredientes, é “Daphnis et Chloé”, em cartaz na Opera da Bastilla, em Paris.

A encomenda para a coreografia foi feita bem antes da indicação de Millepied para liderar a companhia de dança. A nomeação, em janeiro, provocou algumas reticências, principalmente em relação à carreira do artista, construída praticamente nos Estados Unidos, para onde Millepied foi aos 16 anos e se tornou um dos solistas do New York City Ballet.

Mas as críticas incensaram Millepied e o público exigente aplaude com entusiasmo o balé do futuro diretor da companhia. O fato de Millepied ser casado com uma atriz hollywoodiana – Nathalie Portman – virou apenas um detalhe. Eles se conheceram durante as filmagens de “Cisne Negro”, coreografado pelo francês.

Romance pastoral grego

Poucas vezes encenado, “Daphnis et Chloé” conta a história de amor pastoral, passeada em um romance grego do século 2. A música foi encomendada a Ravel por Sergei Diaghilev para os Balés Russos e estreou no Teatro do Chatelet, em Paris, em 1912. Nessa produção, com coreografia de Michel Fokine, o mítico bailarino russo Nijinski foi Daphnis. Na versão parisiense, Aurélie Dupont é Chloé e Hervé Moreau é o pastor Daphnis.

A leveza e a sensualidade da coreografia de Millepied se fundem na cenografia geométrica e de cromoterapia de Daniel Buren, que não dispensa as listras verticais negras, uma espécie de marca registrada do artista. Em Paris, Buren é o autor da instalação permanente de colunas de varias alturas no Palais Royal, do lado da Comédia Francesa. A orquestra da Opera de Paris é conduzida por Philippe Jordan.

Criador e criatura

O balé de Millepied vem na segunda parte, após “O Palácio de Cristal”, primeira criação de George Balanchine para o balé da Opera de Paris, de 1947. A coreografia original com musica de Bizet ganha literalmente cores com os tutus cintilantes do estilista Christian Lacroix. Balanchine foi o fundador do New York City Ballet, companhia da qual Millepied foi solista de 1995 a 2011.
 

Peça "Apareceu a Margarida", marco contra a ditadura brasileira, faz sucesso há 40 anos na França

Women House: Exposição em Paris destrói estereótipos da mulher “do lar”

Árpád Schilling encena desencanto e ruptura em “perfomance dos Bálcãs”

Mega exposição em Paris homenageia Barbara, ícone da chanson française

Exposição em Paris recupera 2 mil anos de presença cristã no Oriente, apesar da perseguição

Filmes brasileiros concorrem em várias categorias no festival de cinema de Biarritz

Exposição em Paris celebra 40 anos da morte de Maria Callas, "la diva"

“Fotografia não é função masculina, é humana”, diz fotógrafa de guerra

Antigo prédio ocupado no centro de Paris vira polo artístico internacional

Grupo carioca apresenta releitura de "Alice no País das Maravilhas" em Edimburgo

Mostra sobre casamentos forçados abre centro de fotojornalismo em Paris