rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Paris recebe em 2015 exposições de Velázquez e Le Corbusier

Por Augusto Pinheiro

O ano novo começou e também a expectativa em relação às grandes exposições de arte em Paris. Este ano os destaques são o pintor barroco espanhol Diego Velázquez, no Grand Palais; o arquiteto franco-suíço Le Corbusier, no Centro Georges Pompidou; o pintor francês do século 17 Nicolas Poussin, no Museu do Louvre; e o movimento de arte decorativa italiana da primeira metade do século 20, no Museu D'Orsay.

O espanhol Velázquez, ganha pela primeira vez na França uma grande exposição, com uma centena de quadros. A mostra, que abre no dia 25 de março no Grand Palais, é uma colaboração entre o Museu do Louvre e o Museu de História da Arte de Viena e apresentará clássicos como "A Forja do Vulcão", do Museu do Prado, de Madri, e "A Vênus ao Espelho", da National Gallery, de Londres.

"O Velázquez é considerado um dos principais representantes da pintura espanhola e também é considerado mundialmente um grande artista, com uma avançada técnica de pintura no século 17. O trabalho dele foi fotográfico antes do advento da fotografia, ou seja, de observação e técnica matemática sobre a pintura a óleo", diz o curador e crítico de arte brasileiro Ricardo Fernandes, proprietário da galeria que leva seu nome em Paris, que convidamos para comentar os artistas e as exposições.

A retrospectiva do arquiteto Le Corbusier, que será inaugurada no dia 29 de abril no Centro Georges Pompidou, mostrará como ele utilizou o corpo humano como a principal fonte de inspiração para criar a sua obra arquitetônica. "Ele foi um grande arquiteto que trouxe as técnicas da pintura para a arquitetura. Ele reuniu na arquitetura o desenvolvimento de técnicas de dimensão humana, então a contribuição dele é histórica."

As salas do mítico Museu do Louvre receberão, a partir do dia 2 de abril, uma grande exposição de obras do pintor francês Nicolas Poussin, considerado o mais importante do século 17 na França, em comemoração aos 350 anos da sua morte. "Ele foi não apenas o maior nome da pintura clássica francesa, mas também um dos grandes precursores da poesia através da arte. Ele tem um trabalho magnífico como colorista e também tinha um grande conhecimento matemático, com um desenho perfeito até chegar ao trabalho final da pintura", explica Ricardo.

Já o Museu D'Orsay abrigará em seu espaço à arte decorativa italiana da primeira metade do século 20, que representou o desejo de progresso de um país recentemente unificado, com trabalhos de artistas como Carlo Bugatti, Eugenio Quarti e Federico Tesio. A inauguração da exposição acontece no dia 14 de abril. "Essa arte decorativa influenciou a arte decorativa brasileira modernista, iniciada na Semana de Arte Moderna de 1922, e foi de enorme importância para a arte mundial justamente por lançar artistas que deram início à liberdade de expressão e de desenho na arte e no design."

O Museu do Louvre ainda apresentará a quarta e última exposição da série sobre a história da pintura nos Estados Unidos, com a evolução da natureza morta ao longo do século 19. São boas sugestões para quem curte arte e vai passar este ano por Paris. Boas exposições!

Mostra na Fundação Cartier de Paris reflete sobre estética e ciência das árvores

Espetáculo audiovisual encena 3 mil anos de Lutécia, o alterego milenar de Paris

Festival de Verão flerta com o ilusionismo e a performance para revelar Paris encantada

Festivais de verão se multiplicam e se tornam "motor de convivialidade" na França

Sidival Fila: frei brasileiro baseado em Roma expõe arte abstrata em Paris e na Bienal de Veneza

Daniel Galera lança na França romance apocalíptico "Meia-noite e vinte"

Crise de refugiados é tema de espetáculo em festival de marionetes em Paris

Com jurados brasileiros, "Queer Palm" chega na sua 10ª edição em Cannes

Mostra em Paris propõe imersão nas emoções do amor à primeira vista

Apartamento parisiense de Le Corbusier é um marco da arquitetura moderna

Paris acolhe 1ª exposição de esculturas híbridas e sensuais da brasileira Erika Verzutti