rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Quadrinhos História em Quadrinhos Revista Brasil Argentina

Publicado em • Modificado em

O dia em que Mônica e Mafalda finalmente se encontraram

media
Mauricio de Sousa (d) entrega desenho de presente ao colega argentino Quino Marcio Resende

Depois de cinquenta anos de idade, a Mônica finalmente veio à Argentina para conhecer a Mafalda. A mais famosa personagem brasileira veio dar os parabéns pelos 50 anos da amiga argentina mais emblemática no mundo. E uma Mafalda surpreendida ganhou de presente da Mônica o Sansão, o famoso coelho que a Mônica não empresta de jeito nenhum.


Márcio Resende, correspondente em Buenos Aires

Na vida real, foi o desenhista Mauricio de Sousa, quem veio dar de presente um desenho ao lendário amigo argentino, Joaquin Salvador Lavado, ou simplesmente Quino. O aniversário da garotinha filósofa contestadora Mafalda foi, na verdade, no ano passado, quando o desenho foi feito.

Mas, ao saber que o brasileiro faria uma doação ao Centro Cultural Brasil-Argentina em Buenos Aires, Quino quis participar. Mauricio de Sousa decidiu então viajar. E o embaixador brasileiro na Argentina, Everton Vargas, costurou esse histórico encontro.

Mas o que as duas cinquentonas têm em comum? Para Quino, as duas têm suas preocupações sociais, por exemplo."Elas têm em comum a tentativa de chegar a um público, de tentar chamar a atenção sobre um problema que todos temos de resolver. Por exemplo, a destruição da Floresta Amazônica", indicou. "Do Planeta", amplificou Mauricio de Sousa.

O brasileiro acha que, no fundo, as duas tentam falar com os adultos, mas de forma diferente. "A Mafalda de uma maneira mais mordaz, um pouco mais crítica. A Mônica um pouco mais ingênua, mais suavemente.", compara. "Eu penso que nas duas histórias, nas duas criações, há uma vontade de falar com os adultos, mas os adultos estão infelizmente cada vez mais longe do bom-senso", lamenta Mauricio de Sousa.

Tristemente atual

A Mônica nasceu em março de 63; já a Mafalda, em setembro de 64. A Mônica continua com novas histórias. Já a amiga argentina deixou de ser desenhada em 73. Quino acha que a Mafalda não precisa reaparecer porque os problemas no mundo continuam os mesmos e o que ela teria a dizer já foi dito.

"Eu mesmo, olhando as coisas que fiz há tantos anos, percebo que os problemas que me preocupam continuam sendo os mesmos e que eu continuaria dizendo as mesmas coisas que já disse", afirma o desenhista argentino.

Mauricio de Sousa concorda e acha que foi a falta de vontade política que congelou o mundo de Mafalda: "É um caso que infelizmente o discurso permanece atual. Nós ainda não estamos conseguindo colocar as nossas histórias na mesa dos políticos. Os adultos que mandam no mundo não estão entendendo da necessidade da Educação", observa.

"Se nós tivéssemos todas as crianças nas escolas com bons professores, eu penso que nós tiraríamos da frente da nossa história os maiores problemas, inclusive provavelmente até guerras e convulsões sociais", acredita.

Em quadros opostos

Mauricio de Sousa tem 79 anos; o argentino Quino, 82. Mauricio de Sousa ainda desenha, mesmo que pouco. Já Quino, deixou de desenhar há sete anos por problemas na vista e nas mãos. Anda numa cadeira de rodas, evita atos públicos e praticamente não dá entrevistas.

Nos anos 80, a Turma da Mônica fez sucesso na Argentina, mas a crise financeira de 89 interrompeu o caminho e a personagem sumiu do país vizinho. Mauricio de Sousa contou à RFI que tem "uma vontade férrea" de voltar à Argentina, um dos países no qual pretender instalar uma unidade de produção.

Esse projeto de internacionalização da linha de produção começa pela Ásia. "Temos o projeto de abrir estúdios em outras partes do mundo para começar a produzir localmente o nosso material. Mesmo com crises como a que temos agora no Brasil, nós estamos cheiros de trabalhos, de ideias e de esperança".

Duzentos desenhistas integram o estúdio Mauricio de Souza ,que produz um gibi por dia, mais de 1.500 páginas de histórias em quadrinhos por mês e detém mais de 80% do mercado de publicações infanto-juvenis no Brasil. Os números não consideram desenhos animados e todo tipo de merchandising.

Ouça a reportagem sobre o encontro entre Mônica e Mafalda em Buenos Aires 22/04/2015 Ouvir