rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Artistas francesas são destaques de festival em Edimburgo

Por Patricia Moribe

O Festival Internacional de Edimburgo traz à capital escocesa em agosto o que há de mais prestigioso no mundo do teatro, do balé e da música clássica. Duas francesas são destaques: Juliette Binoche e Sylvie Guillem. Já no Fringe, que acontece paralelamente, as opções são mais variadas e numerosas: mais de 3 mil espetáculos para todos os gostos. O percusionista brasileiro Adriano Adewale se apresenta com o violonista italiano Antonio Forcione.

Juliette Binoche, 51 anos, está na tragédia grega Antígona, escrita em 441 a.C. por Sófocles. A nova releitura tem direção do belga Ivo van Hove. “Há algo na peça que é palpável, acessível, que faz uma correlação imediata com sua vida, com a sociedade em que você vive”, conta Juliette Binoche. “Surge o sentimento, a necessidade de curar a ferida de uma família, de uma sociedade, do mundo – e Antígona é uma pessoa que cura, mesmo que ela escolha se sacrificar, escolhendo a morte”, acrescenta.

A bailarina Sylvie Guillem, 50 anos, que foi estrela do balé da Ópera de Paris e do Balé Real de Londres, apresenta “Life in Progress” (“vida em andamento”, em tradução livre), em turnê mundial de despedida dos palcos. O espetáculo chega a Paris em setembro e termina no final do ano, no Japão.

Pela primeira vez, o pop rock sobe aos palcos durante o Festival Internacional de Edimburgo. A honra é da superbanda FFS, que junta o grupo escocês Franz Ferdinand e os americanos do Sparks. A apresentação vai ser única, com lotação esgotada, no dia 24.

Edimburgo “off”

Paralelamente ao festival, aconte o Fringe, que surgiu em 1947 como uma alternativa, um off, e acabou se tornando o maior evento do mundo de artes. Este ano, só para se ter uma ideia, são mais de 3 mil espetáculos em agosto, muitos deles, de graça, nas ruas. “Todo canto da cidade vira palco”, como conta o percusionista brasileiro Adriano Adewale, que se apresenta com o violonista italiano Antonio Forcione.

“Vamos tocar algumas composições do último trabalho de Forcione, “África”, e também do meu, que se chama “Raízes””, conta Adewale, que já tocou algumas vezes no Fringe. O músico brasileiro vive em Londres há 15 anos. Depois de um bacharelado em percussão erudita na Unesp, ele resolveu conhecer o mundo. “Eu queria ver como é que era viver em um lugar diferente do país onde nasci, onde cresci”, conta o músico.
 

Peça "Apareceu a Margarida", marco contra a ditadura brasileira, faz sucesso há 40 anos na França

Women House: Exposição em Paris destrói estereótipos da mulher “do lar”

Árpád Schilling encena desencanto e ruptura em “perfomance dos Bálcãs”

Mega exposição em Paris homenageia Barbara, ícone da chanson française

Exposição em Paris recupera 2 mil anos de presença cristã no Oriente, apesar da perseguição

Filmes brasileiros concorrem em várias categorias no festival de cinema de Biarritz

Exposição em Paris celebra 40 anos da morte de Maria Callas, "la diva"

“Fotografia não é função masculina, é humana”, diz fotógrafa de guerra

Antigo prédio ocupado no centro de Paris vira polo artístico internacional

Grupo carioca apresenta releitura de "Alice no País das Maravilhas" em Edimburgo

Mostra sobre casamentos forçados abre centro de fotojornalismo em Paris