rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Agenda Europa
rss itunes

Rock en Seine e Jazz à La Villette fazem despedida musical das férias

Por Gabriel Rocha Gaspar

As férias no hemisfério norte terminaram e com elas foram-se os eventos de verão. Mas não tem má notícia, porque isso significa que a oferta cultural do Velho Continente acaba de se renovar, com direito a música, cinema e artes plásticas.

Poucos festivais podem se gabar de ter alguns dos maiores nomes do rock batendo na porta, pedindo pra tocar. O Rock en Seine, que acontece neste fim de semana em Paris, pode. Fundador do festival em 2003, François Missonier contou à RFI que o FFS, megabanda que reúne o Franz Ferdinand e o Sparks, veio atrás da organização para oferecer seus serviços.

"A proposta caiu do céu para a gente", conta o diretor da festa. Mas nem tudo são flores. The Libertines, por exemplo, outro destaque do Rock en Seine, deu trabalho: "Sabíamos que um álbum estava para sair, nós queríamos muito tê-los aqui, mas eles tinham uma agenda mais carregada, com datas em vários lugares. Então foi preciso esperar mais, brigar... Mas no final deu certo".

E deu certo porque o Rock en Seine "é bem conhecido pelos empresários e artistas internacionais, que querem vir tocar aqui porque é em Paris, eles são bem recebidos e o público é incrível". O line-up ainda traz Offspring, Chemical Brothers, Tame Impala e muito mais. Mas quem quiser assistir, tem que correr porque a festa é só neste último fim de semana de agosto.

Do rock pro jazz

Mas quem chegar a Paris pouco depois do Rock en Seine não precisa se desesperar: ainda dá para curtir o tradicional Jazz à La Villette. Entre as atrações, está o eterno baterista de Fela Kuti, Tony Allen, que toca acompanhado do rapper americano Mos Def.

Dos Estados Unidos e do soul, vêm também Melvin Van Peebles, Jurassic 5, Lee Fields, Archie Shepp. Mas, além dos nomões, o festival tem uma sessão dedicada a artistas novatos e inovadores, além de uma versão Kids, pra molecada se ligar no som desde cedo. O jazz come solto no parque La Villette, norte da capital, de 3 a 13 de setembro.

Do jazz pra tela

A partir do dia 3 de setembro, acontece o Festival de Cinema de Cambridge. Uma das principais atrações desse ano são as exibições ao ar livre no parque Grantchester. Lá vão passar 2001, do Kubrick, De Volta para o Futuro, clássicos meio obscuros, como Tudo que o Céu Permite, Desencanto, Carta de Uma Desconhecida e mais um filme por dia durante dez dias.

E o cinema a céu aberto de Grantchester é uma gota no oceano do festival, que comemora seus 35 anos nesta edição. Cambridge tem ainda mostras dedicadas ao cinema 3D, à produção alemã contemporânea, outra à catalã... A própria organização admite que ver tudo é impossível. Mas num festival desse porte, ver um pouco já é muito.

Da tela pra tela

Em Berlim, abre no próximo 4 uma exposição de 50 obras do pai da pintura abstrata, Piet Mondrian. Com seu método de redução radical da pintura a seus elementos mais elementares, o artista holandês criou algumas das mais icônicas obras do Modernismo clássico.

Mais do que mostrar o resultado, essa primeira grande mostra dedicada a Mondrian em Berlin retraça o processo que o pintor seguiu, de uma tímida incursão Impressionismo para a abstração. Vale a pena e dá tempo: a mostra fica no Martin-Gropius-Bau até 6 de dezembro.

Para ouvir o programa Agenda Europa na íntegra, clique no link acima.

Crise migratória na Europa é tema de filmes no 70° Festival de Cannes

Espetáculos humorísticos e shows contra Marine Le Pen marcam reta final da eleição francesa

Em Londres, fotógrafo Peter Kennard cria imagens sobre absurdo das guerras

Relação de Andy Warhol com banda rock Velvet Underground vira mostra em Metz

"CrônicasTropicais" de Pedro Varella levam imaginário brasileiro a Paris

Mito da Street Art, britânico Bansky cria parque de diversões efêmero em Bristol

Verão europeu tem diversos festivais de música eletrônica ao ar livre