rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Jazz Música

Publicado em • Modificado em

Morre aos 83 anos saxofonista argentino Gato Barbieri

media
Gato Barbieri em cena, no Blue Note, em 2008. Jack Vartoogian/Getty Images

Um dos maiores nomes do chamado “latin jazz”, o argentino Leandro “Gato” Barbieri, morreu neste sábado (3), aos 83 anos, informou neste domingo o Blue Note, mítica sala de jazz de Nova York.


“Perdemos uma lenda, um pioneiro e um amigo querido”, anunciou o Blue Note pelo Twitter. O sax tenor, também conhecido por compor a trilha sonora do filme “Último Tango em Paris”, de Bernardo Bertolucci, morreu em decorrência de uma pneumonia, em Nova York, onde vivia há cerca de 50 anos.

“A contribuição significativa de Gato à música e às artes foi uma inspiração para todos”, continuou a mensagem.

Nascido no dia 28 de novembro de 1932, em Rosário, Barbieri gravou cerca de 50 álbuns ao longo da carreira, que começou ainda adolescente em clubes de jazz de Buenos Aires, quando já era conhecido pelo apelido de “Gato”.

Ele se dizia influenciado pelo americano John Coltrane, que o argentino viu pela primeira vez em um concerto em 1957, no Uruguai, tocando em um quinteto formado por Miles Davis. Ele não se definia como um músico argentino, mas internacional.

Trilha de "O Último Tango em Paris" trouxe prêmio e fama mundial

O músico explorou muitos estilos, desde o free jazz (com o trompetista Don Cherry nos anos 60) até a composição de trilhas sonoras nos anos 70 e 80. A música de “O Último Tango em Paris”, com Marlon Brando e Maria Schneider, rendeu-lhe um prêmio Grammy em 1972, tornando-o conhecido do grande público.

O último trabalho de Barbieri, “Shadow”, lançado em setembro de 2002, foi premiado como o melhor álbum de jazz latino do ano pela revista Billboard.

Gato Barbieri fez seu último concerto no dia 23 de novembro do ano passado.

Assista abaixo Gato Barbieri interpretando a trilha de "O Último Tango em Paris":