rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Cultura
rss itunes

Mostra em Paris traz a navegação e o mundo árabe, de Simbad a Marco Polo

Por Patricia Moribe

Uma exposição no Instituto do Mundo Árabe, em Paris, propõe uma viagem pelo tempo e pelos mares. “Aventureiros do mar: de Simbad a Marco Polo” mostra a importância dos navegadores árabes antes da época de ouro europeia dos grandes descobrimentos. A mostra fica em cartaz até 26 de fevereiro de 2017.

A curadora Nala Aloudat conta que um dos objetivos foi rebater a ideia preconcebida de que os árabes são gente do deserto. “Ao contrário, os muçulmanos detém uma cultura marítima milenar. Não só em progressos em questões de navegação, de cartografia e geografia, mas também de trocas mercantis entre o Mediterrâneo e o Oceano Índico”, explica.

Para contar as façanhas dos navegadores árabes, a exposição tem como fio condutor personagens da época. Começando por uma lenda, um mito, a de Simbad, o marujo, que no Ocidente ficou conhecido pelos volumes das Mil e Uma Noites. Simbad fez sete grandes viagens, percorrendo o leste da África e sul da Ásia, com experiências fantásticas, como a de encontrar uma ilha em forma de baleia.

Andanças marítimas pelo desconhecido

“Um dos nossos propósitos era de dar vida ao tema e não apenas falar de objetos, mapas ou manuscritos, ou seja, falar de personagens que tornaram essas façanhas possíveis”, relata a curadora. “Começamos por exemplo com Simbad, pois a primeira parte da exposição fala de mitos. Temos Ibn Majid, que é um grande navegador árabe, alguns dizem que ele é quem permitiu a Vasco da Gama achar o caminho até o Oceano Indico, passando pelo Cabo da Boa Esperança. Na terceira parte, o destaque vai para Ibn Battûta, talvez o maior dos navegadores desta exposição. Diz-se que ele percorreu 120 mil km no mar, através do mundo”, acrescenta Nala Aloudat.

Fora do universo árabe, mas muito importantes na história das navegações marítimas, há personagens como o mongol muçulmano Zheng He, o italiano Marco Polo e o português Vasco da Gama. A exposição é high tech, com explicações interativas, vídeos, constelações no teto, além de muitas relíquias de época.

Holandeses trazem ruptura ao modelo árabe

A curadora também fala sobre o papel dos portugueses nessa era: “A ideia é de mostrar que os portugueses se inseriram em uma rede que já existia. Eles criaram uma nova rota contornando o Cabo da Boa Esperança, mas não chegaram a transformar a paisagem comercial que já existia e funcionava bem. Queremos mostrar que eles vieram ‘completar’ algo que já estava construído, pois quando eles chegaram, o comercio em mãos dos árabes não diminuiu, pelo contrário, criou mais demanda e concorrência, mas sem que isso fosse um golpe ao poder e o monopólio muçulmano”.

A mostra termina na transição do século 16 para o século 17, quando se instala a Companhia das Índias Orientais, criação holandesa de transformou o comércio marítimo, impondo uma ruptura com o modelo criado pelos árabes e expandido pelos portugueses.
 

Women House: Exposição em Paris destrói estereótipos da mulher “do lar”

Árpád Schilling encena desencanto e ruptura em “perfomance dos Bálcãs”

Mega exposição em Paris homenageia Barbara, ícone da chanson française

Exposição em Paris recupera 2 mil anos de presença cristã no Oriente, apesar da perseguição

Filmes brasileiros concorrem em várias categorias no festival de cinema de Biarritz

Exposição em Paris celebra 40 anos da morte de Maria Callas, "la diva"

“Fotografia não é função masculina, é humana”, diz fotógrafa de guerra

Antigo prédio ocupado no centro de Paris vira polo artístico internacional

Grupo carioca apresenta releitura de "Alice no País das Maravilhas" em Edimburgo

Mostra sobre casamentos forçados abre centro de fotojornalismo em Paris

Montpellier Danse: encontro de gerações da dança contemporânea na França

Templo da literatura lusófona em Paris, editora Chandaigne celebra 25 anos

Aos 88, cineasta Agnès Varda explora com fotógrafo JR os vilarejos franceses