rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Autor do atentado de Manchester integrava célula terrorista, diz polícia
Cultura
rss itunes

Mostra em Paris resgata processos abusivos contra mulheres

Por Patricia Moribe

A exposição “Culpadas até que se prove o contrário”, na sede dos Arquivos Nacionais, em Paris, até 27 de março, quer dar voz a mulheres abusivamente condenadas ao longo da história. A iniciativa, que consumiu dois anos de pesquisas, recolheu 320 processos de interrogatórios, muitas vezes os únicos vestígios escritos de trágicos destinos diante de uma legislação arbitrária e opressora.

A mostra é dividida em cinco alas, de acordo com o arquétipo das supostas criminosas: feiticeiras da Idade Média e séculos 16 e 17, as envenenadoras, as condenadas por infanticídio, as incendiárias da época da Comuna de Paris e as chamadas colaboradoras “horizontais” durante a guerra.

O caso da atriz e cantora Arletty, estrela de clássicos do cinema francês como Hotel du Nord e Boulevard do Crime (Les Enfants du Paradis), é um dos mais notórios no período do pós-guerra. Ela foi presa no final da guerra, por causa de seu romance com um alemão. Irreverente, ela declarou durante seu julgamento: “Se não era para dormir com os alemães, não deviam tê-los deixado entrar”. Uma outra frase é mais famosa ainda, mas teria sido colocada em sua boca por um biógrafo: “Meu coração é francês, mas meu sexo é internacional”.

“A exposição é uma homenagem a essas mulheres, mostrando o quanto esses processos eram injustos e absurdos”, diz Marie, diretora do sistema público hospitalar. “Acho que no fundo tem a disputa entre homem e mulher; são mulheres consideradas culpadas de imediato, acusadas sem provas e torturadas. Sob tortura, elas confessam qualquer coisa”, acrescenta a visitante.

Perguntas para estabelecer a culpa

Na parte das bruxas, um caso notório é o da hoje santa e heroína Joana d’Arc. Numa transcrição de um documento da época, ela é questionada sobre a árvore das fadas, ao redor da qual ela certamente dançava quando pequena, e outras absurdas perguntas para provar que ela era uma feiticeira. Condenada por heresia, ela é queimada viva em 1431.

Para Karine, outra visitante, a parte dos infanticídios foi a que mais a impressionou. “Essas pobres mulheres eram obrigadas a matar seus filhos, porque foram abandonadas ou não tinham ajuda de ninguém, em condições desastrosas.”

A exposição revela que uma lei de 1556 obrigava mulheres não casadas a se apresentar às autoridades em caso de gravidez, oficializando publicamente um futuro de ostracismo e rejeição, forçando muitas mães a esconder essa condição ou a abandonar ou matar o recém-nascido.

Matou marido após 47 anos de abuso

A mostra remete o visitante a uma notícia recente da atualidade francesa. Trata-se de Jacqueline Sauvage, 69 anos, condenada a dez anos de prisão por ter matado, em 2012, o marido violento e abusivo, que torturou toda a família, inclusive com estupros de Jacqueline e das filhas, durante 47 anos. Ela acabou ganhando a graça do presidente francês, François Hollande, uma espécie de perdão que é concedido desde a época da monarquia na França e que entrou oficialmente na Constituição francesa em 1958. Dessa forma, apoiada pela família e pela opinião publica, Jacqueline Sauvage deixou finalmente a prisão no dia 29 de dezembro.

A mostra “Culpadas até que se prove o contrário” pode ser vista na sede dos Arquivos Nacionais, em Paris, até 27 de março.
 

Festival de fotos espalha 98 exposições por 32 cidades da Grande Paris

Festival "Les Femmes S’en Mêlent" valoriza produção musical feminina na França

The xx: novo cd I SEE YOU vai ser lançado no Lollapalloza, em São Paulo

Biblioteca Richelieu, em Paris, reabre mais moderna para atrair novo público

Mostra em Paris traz a navegação e o mundo árabe, de Simbad a Marco Polo

A irreverência do artista Ben agita o comportado Musée Maillol de Paris