rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Duo Lune & Soleil toca choro e bossa nova em estilo jazzístico

Por Augusto Pinheiro

Os músicos Lourival Silvestre e Francesca Perissinotto, do duo de jazz brasileiro Lune & Soleil (lua e sol, em francês), realizam nesta sexta-feira (27) no Instituto Alter Brasilis, em Paris, uma conferência-concerto. O tema é a história daqueles que consideram os cinco principais estilos da música brasileira: choro, samba, frevo, baião e bossa nova.

"Colocamos cada estilo dentro do contexto econômico e político da época em que surgiram e ilustramos tocando canções ao vivo: a Francesca na voz, flauta e violão, e eu no violão e cavaquinho e, talvez, viola caipira", explica o mineiro Lourival. As inscrições para o evento podem ser realizadas no site do Alter Brasilis.

Os dois formaram o Lune & Soleil na França, em 1981, com o objetivo, desde o início, de tocar o que chamam de jazz brasileiro. "São ritmos tradicionais, como choro e bossa nova, mas em estilo jazzístico", diz Francesca, que é francesa. "Quando a gente fala sobre música brasileira na França, as pessoas geralmente pensam em samba e festa. Então gostamos do termo jazz brasileiro porque dá uma visão mais ampla."

O CD mais recente, "Bonita", conta com canções de Hermeto Paschoal e Tom Jobim, além de composições próprias. "Gostamos muito do Tom Jobim, um grande músico que representa a riqueza da cultura brasileira. Também gostamos muito dos compositores de choro, como Pixinguinha, Waldir Azevedo e Jacob do Bandolim. Eles criaram melodias de uma riqueza muito grande. A gente tem vontade de divulgar essa música, que é muito rica e ainda pouco conhecida na França", diz Francesca.

Trabalhos eruditos

Além de música popular, Lourival também realiza trabalhos eruditos. "Eu estudei composição sinfônica. Na verdade, eu vim para a França para estudar com Olivier Messiaen e também estudei com o Pierre Boulez", conta, citando dois grandes nomes da música erudita do século 20. Lourival, inclusive, já recebeu o primeiro prêmio do Concurso Internacional de Composição de Munique.

Ele também colaborou com os franceses Michel Legrand e Georges Moustaki. "Foram trabalhos enriquecedores e intensos, tudo de alto nível. Com o Moustaki, fiz arranjos para grande orquestra, e toquei na orquestra do Legrand, além de gravar com ele."

 

Sabores do Brasil recebe “30% de brasileiros saudosos e 70% de franceses curiosos” em Paris

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Cantor Renato Fagundes traz a Paris tradição e modernidade da cultura gaúcha

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum