rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Duo Lune & Soleil toca choro e bossa nova em estilo jazzístico

Por Augusto Pinheiro

Os músicos Lourival Silvestre e Francesca Perissinotto, do duo de jazz brasileiro Lune & Soleil (lua e sol, em francês), realizam nesta sexta-feira (27) no Instituto Alter Brasilis, em Paris, uma conferência-concerto. O tema é a história daqueles que consideram os cinco principais estilos da música brasileira: choro, samba, frevo, baião e bossa nova.

"Colocamos cada estilo dentro do contexto econômico e político da época em que surgiram e ilustramos tocando canções ao vivo: a Francesca na voz, flauta e violão, e eu no violão e cavaquinho e, talvez, viola caipira", explica o mineiro Lourival. As inscrições para o evento podem ser realizadas no site do Alter Brasilis.

Os dois formaram o Lune & Soleil na França, em 1981, com o objetivo, desde o início, de tocar o que chamam de jazz brasileiro. "São ritmos tradicionais, como choro e bossa nova, mas em estilo jazzístico", diz Francesca, que é francesa. "Quando a gente fala sobre música brasileira na França, as pessoas geralmente pensam em samba e festa. Então gostamos do termo jazz brasileiro porque dá uma visão mais ampla."

O CD mais recente, "Bonita", conta com canções de Hermeto Paschoal e Tom Jobim, além de composições próprias. "Gostamos muito do Tom Jobim, um grande músico que representa a riqueza da cultura brasileira. Também gostamos muito dos compositores de choro, como Pixinguinha, Waldir Azevedo e Jacob do Bandolim. Eles criaram melodias de uma riqueza muito grande. A gente tem vontade de divulgar essa música, que é muito rica e ainda pouco conhecida na França", diz Francesca.

Trabalhos eruditos

Além de música popular, Lourival também realiza trabalhos eruditos. "Eu estudei composição sinfônica. Na verdade, eu vim para a França para estudar com Olivier Messiaen e também estudei com o Pierre Boulez", conta, citando dois grandes nomes da música erudita do século 20. Lourival, inclusive, já recebeu o primeiro prêmio do Concurso Internacional de Composição de Munique.

Ele também colaborou com os franceses Michel Legrand e Georges Moustaki. "Foram trabalhos enriquecedores e intensos, tudo de alto nível. Com o Moustaki, fiz arranjos para grande orquestra, e toquei na orquestra do Legrand, além de gravar com ele."

 

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança

Pesquisador brasileiro comemora consolidação do futebol em meio acadêmico

Tatiana Leskova, testemunha viva da história do balé, é homenageada em Paris

Em Annecy, diretor de 'A Era do Gelo' revela desejo de criar séries de animação com parceiros no Brasil

“Temos que lutar para que não haja adiamento das eleições no Brasil”, diz Celso Amorim

Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão destaca "crescimento chinês” do audiovisual brasileiro

“Nossa música não está mais conectada com o povo”, diz compositor André Mehmari

Jornalista lança livro em Paris sobre José Ibrahim, um dos maiores nomes do sindicalismo brasileiro

“Roland Garros é a alma do tênis brasileiro atualmente”, diz Guga ao ser nomeado embaixador do torneio

Modelo de integração é de "indiferença às diferenças": romance de escritora franco-brasileira discute lugar da mulher mestiça entre Brasil e França

Mestre Reginaldo Maia resgata valores ancestrais da capoeira de Angola em Paris

“As eleições no Brasil já estão comprometidas”, diz presidente do PCO

"Moradia para todos é uma guerra política", diz urbanista João Whitaker em Paris

"Em tempos de email, só as cartas conseguem produzir uma eternidade nas pessoas", diz escritor Rodrigo Dias

Dupla Dinho Nogueira e Zé Barbeiro traz shows e cursos de choro para Europa